quarta-feira, 23 de março de 2016

Relato de Viagem
Mendoza e Córdova – Argentina 2016


Dia 01 – Sábado - 05/03/2016 – São Paulo / Mendoza

Antes de sair do meu apartamento em São Paulo resolvi dar aquela última olhada para ver se estava esquecendo algo. Bati o olho no boné de cor bege que comprei na viagem de 2012 a Cuba, e não hesitei em escolhê-lo para usá-lo naquela nova viagem.

A viagem entre São Paulo e Mendoza dura cerca de 3 horas. E curiosamente o horário é o mesmo nos dois lugares. Ao nos aproximarmos do momento do pouso já se podia ver no sobrevoo as vinícolas mendocinas.

Terminado os trâmites de desembarque no pequeno aeroporto decidi ir de “remis” (tipo de táxi um pouco mais caro) até o hostel para o qual eu tinha feito uma reserva.

Como não encontrei casa de câmbio, acordei com o taxista o valor da corrida em US$ 10,00. No caminho conversei com o motorista buscando informações sobre a cidade. Ele me lembrou sobre a festa da Vendímia (festa de celebração à colheita da uva). A festa seria celebrada no período entre 4 e 8 de março e minha chegada ao dia 5 foi uma grande e maravilhosa coincidência. Troquei alguns dólares pelo valor de 13,50 pesos, pois sabia que não seria tão fácil encontrar casas de câmbio abertas em um sábado.

 Ao chegar ao hostel Alamo, uma bela casa localizada no centro, fui atendido pelo Max que me passou as informações importantes sobre o hostel e me apresentou o quarto de número 2, um dormitório cuadruple, ou seja, compartilhado com mais 4 pessoas. Valor de 180 pesos por dia, com café da manhã. Percebi que havia no hostel  vários estrangeiros de várias nacionalidades e a língua mais utilizada era o inglês.

Deixei meus pertences no quarto e logo resolvi partir para explorar a cidade. Eram mais ou menos 16h. Cheguei à Praça da Independência e vi dois ônibus turísticos do tipo “sightseeing”, aqueles que fazem um percurso pelos principais atrativos turísticos locais, onde você pode descer e aguardar a próxima parada. Em Mendoza aguardaria 1 hora.

Devido à festa da Vendímia os ônibus não estavam operando. O passeio ficaria para o dia seguinte.

Continuei minha caminhada de sábado observando a vida dos cidadãos locais. Vi que tinha umas crianças chutando ao gol em uma atividade promocional. Eram promotores da cidade de Carlos Paz, divulgando esse destino. Resolvi participar.

E ao conseguir chutar a bola e fazê-la passar pelas barreiras, marquei o gol e recebi como prêmio,  quatro alfajores de pêra e uma camiseta de criança.

Como a cidade fica próxima a Córdoba, cidade para a qual eu planejava viajar, quem sabe poderia conhecê-la. Por isso pedi umas dicas de atrativos.

Alonguei um pouco mais a caminhada e me chamou a atenção os pequenos canais que acompanham algumas ruas da cidade. Servem para irrigar as árvores da cidade.

Logicamente guardada as devidas proporções percebi semelhanças entre a cidade de Mendoza e a de Paris. Uma delas é a presença de uma árvore que tem as folhas de bordo, aquela que serviu de inspiração para a bandeira canadense.

Logo voltei para o hostel para descansar um pouco e explorar as opções noturnas da cidade.

Percebi que não conseguiria comprar ingressos para a primeira festa noturna da Vendímia quando seria eleita a rainha do ano.  Achei melhor não me arriscar em ir até o evento e tentar comprar ingressos com cambistas.

Optei pela dica de caminhar cerca de cinco quadras e chegar a rua Aristídes Villanueva.

A temperatura era perfeita. Caminhei calmamente e logo descobri uma cervejaria chamada Antares, fundada em Mar del Plata. Resolvi conhecer o local, já que estou estudando o mundo cervejeiro para desenvolver roteiros turísticos em São Paulo com essa temática.

Continuando o passeio by night tomei outra cerveja no Johnny B. Good e voltando ao início da rua conversava com garçons de um bar perguntando como era a receptividade das mendocinas com relação a conversas com estranhos. Um deles disse que não são abertas. O outro disse que ia me apresentar para um grupo. Fiquei um pouco envergonhado mais topei.

Muito simpáticos e receptivos foi um bom momento para conversar em espanhol.

Eram 5 moças e um rapaz. E a noite terminou quando o sol raiava.




Dia 02 – Domingo - 06/03/2016 – Mendoza

Então, por volta das 11h, com a luz do sol penetrando pelo fino tecido da cortina e com a cabeça pesando um pouco mais do que o normal, acordei lembrando rapidamente que estava em Mendoza. O adormecimento do corpo tinha que ser vencido pela vontade de aproveitar ao máximo cada momento. Carpe diem!

Lembrei das possibilidades de programas para aquele dia e como fazer para poder viabilizá-los.

Lembrei também que fora a noite que foi se estendendo, e rendeu uma boa diversão, o motivo de eu passar mais uma noite em Mendoza antes de cumprir com o objetivo de conhecer Córdoba era conhecer a festa da Vendímia. Afinal, não podia desperdiçar a possibilidade casual que me fez conhecer Mendoza justamente no final de semana do seu evento mais importante da cidade.

Lembrei ainda que tinham me dado uma ótima dica sobre onde eu poderia encontrar ingressos para a Vendímia. E, por último lembrei do ônibus “Sightesseing”, turístico, e calculei que com ele poderia  conhecer a cidade sem muito esforço.

Tomei banho, dispensei o café, troquei algumas palavras com os hóspedes do hostel e me informei com o Max-recepcionista, qual seria um caminho para a oficina de Turismo da cidade.
Caminhei até Av. San Martin, o “libertador Argentino” e pedi orientações para chegar ao local procurado. Ficava em um belo prédio. Logo, fui recebido por um solícito guardinha que me vendeu o ingresso por 60 pesos. E, dobrando a esquina encontrei a bilheteria para o ônibus turístico. O Tour começava ali mesmo. Tiro na mosca. Não poderia ser mais certeiro!

Com os ingressos na mão e com o apetite aberto resolvi aproveitar os 50 minutos para a chegada do próximo ônibus double deck rosa. Atravessei a rua e logo estava na Peatonal Sarmiento, rua de fluxo de pedestres.

Bati o olho em uma fonte de cor roxa. É claro que devia simbolizar o vinho mendocino!

Mas não seria aquele o momento de tomar vinho pela primeira vez...

Lembrei que ao parar com o grupo de meninas (melhor lembrar assim, já que só tinha um rapaz) aproveitei com vontade os “doble drinks”, que de par em par formaram meia dúzias de copos vazios.

Café! Era a bebida da vez. Vi uma cafeteria da marca Havanna, argentina por sinal, e achei que seria ali que tomaria um bom café e conseguiria me conectar virtualmente. Pedi o acompanhamento de uma tostada de jamón y queso e a senha da internet.

Enquanto postava as fotos, lembrava os detalhes dos momentos do dia e tentava lembrar os acontecimentos da noite.  E depois forrar o meu estômago com o café-almoço pedido, a complementação seria um alfajor que daria a energia necessária para poder realizar o passeio turístico de forma mais atenta.

Acabei tendo que me acomodar sentado em uma poltrona do piso de baixo. Em cima estava lotado.

Esforcei meus neurônios para interpretar o roteiro no mapa do passeio, que consulto neste momento, ainda bem conservado, e entender quais seriam os locais mais interessantes para eu descer. Fiquei interessado pelo Jardim Zoológico e o Estádio Malvinas Argentinas.

Para auxiliar minha decisão pedi a opinião da guia/apresentadora (não posso afirmar que era uma guia de turismo) que discursava em alguns momentos, passando informações complementares às da gravação automática. Ela me recomendou parar na Fuente de los Continentes, dentro do Parque General San Martin. Vale pesquisar a história desse personagem histórico!

Achei que valia a pena acatar recomendação. Desci em frente à fonte, memorizei o horário para saber a que horas passaria o próximo busão.

Apreciei um pouco a fonte ao sol do meio dia e meia.  Resolvi caminhar.

Depois de menos de 50 metros mudei de opinião. Resolvi pedalar.

Aluguei por 30 minutos uma bicicleta para explorar com menor esforço e com maior abrangência tudo o que o parque poderia me mostrar. Estava ainda de jaqueta esportiva e à medida que ia pedalando, mesmo que devagar, ia esquentando o corpo.
Passei por estátuas, roseirais, um belo lago e pelo antigo Club Mendoza de Regatas. Passei por pessoas se dedicando as atividades dominicais. Cachorros, balões, corredores, árvores, plantas, crianças, casais foram objeto para a minha câmera. Em alguns momentos fotografava em movimento, testando minhas habilidades motoras e minha interação com a câmera. Tarefa difícil quando não se está com todos os reflexos apurados.

O sol acompanhava meu percurso, calculado de forma a conseguir chegar antes de meia hora de passeio. 30 pesos se não me engano.

Teria cerca de 25 minutos para esperar e bati um olho em um banco verde que me convidava para sentar sem fazer nada além de beber água e descansar. E assim fiquei até avistar o veículo que parecia a pantera cor de rosa chegar.

Aproximamo-nos do zoológico e achei que não seria boa ideia parar. Lembrei meus tempos de criança e da minha experiência mesmo como adulto ao visitar zoológicos e associar à certeza de ter que andar por quilômetros para conhecer o parque.

A apresentadora informou que faríamos o retorno abreviando o percurso já que a via usada normalmente estava bloqueada para a festa da Vendímia. Passamos pelo estádio e me mantive no ônibus. Olhei novamente no mapa e percebi que o ônibus passaria pela na Praza Independencia, parada de número 12 das 17 previstas. Desci perto do hostel.  Era por volta das 14h e o cansaço rapidamente tomava conta do corpo. Iria para o hostel fazer uma siesta e quem sabe concluiria o tour no final da tarde.

Fui diretamente para o quarto e tentei dormir. O corpo estava cansado, porém a mente esperta, agitada. Por duas vezes peguei no sono, mas acordei com alguém entrando no quarto.
Tomei um bom banho para ativar a circulação e me vesti de maneira a estar pronto para o espetáculo noturno. Sabia que faria friozinho. Calça era necessário. Camisa de estampa xadrez completaria o figurino.

Às 16:30 subi ao double deck para fazer o último trecho do roteiro, no qual Parque Central e Acuario Municipal eram os destaques. Parei no ponto final/partida para procurar por um restaurante para jantar.

Em um estabelecimento na Peatonal Sarmiento percebi algumas pessoas assistindo a um jogo de futebol. Resolvi que seria ali que comeria algo. O jogo era River e Boca. Pedi uma Andes, cerveja local, para me sentir menos deslocado. E vi que tinham torcedores com a camisa dos dois times. 

Fazendo uma análise, nesta viagem vi mais pessoas com a camisa do River do que a do Boca, que dizem ser o time mais popular do país.

Queria pollo na brasa, mas tive que me contentar com uma milanesa napolitana com purê. Mesmo não estando aquela delícia me esforcei para não deixar muito purê sobrando.

Saí com a barriga pesada e parei numa banca para me informar sobre qual ônibus teria que tomar para o evento. Soube que teria que andar mais uns 7 quarteirões. Isso poderia ajudar meu processo digestivo.

Descobri onde era o ponto ao ver uma fila de ônibus e uma fila de pessoas. O transporte era gratuito. 

Comprei um chiclete e embarquei. Ao subir os degraus e ver a decoração em torno ao motorista cheio de bichinhos pendurados soltei um sorriso espontâneo.  

Em 15 minutos chegamos ao parque e a uma rua não asfaltada que nos deixava perto ao anfiteatro grego Frank Romero Day. Tínhamos que atravessar um viaduto de em formato curvo, o que provocava mais a imaginação. Holofotes que apontavam luzes coloridas para o céu davam junto com o de uma cantora de ópera ao fundo, todo o clima de “grande noite”.Pitoresco local! Meus assentos estavam no espaço Chardonnay. Cada setor tinha o nome de uma uva. A entrada era no alto, ou seja, tínhamos toda a vista anfiteatro, incrustrado no meio dos morros (cerros).

Uma cantora lírica local chamada Verónica Cangemi cantava músicas famosas como Ave María e O Sole Mio e comentava sobre suas memórias sobre festa da Vendímia desde quando frequentava em tempos de criança. 

Um grande momento foi a interpretação de Bolero de Ravel pela Orquestra Filarmônica de Mendoza. Assim como, Libertango, de Astor Piazzola.

Estava sentado como 95% dos espectadores: no concreto. Tipo “geral” do Maracanã antes da reforma para a Copa. Sem encosto.  Não havia conforto. Mesmo assim aguardei um tanto quanto impacientemente o início do espetáculo.

Não tinha muita noção do que iria ver. Mas fui aos poucos me surpreendendo com a qualidade e a tecnologia da apresentação. Centenas de atores-dançarinos iam interpretando a narração da história local em torno da cultura da plantação da uva e do processo de produção desta bebida elegante, saudável e respeitada que é o vinho.

Ricas projeções davam toda a cor e a força estética para a apresentação. Simplesmente empolgante e envolvente.

Grande parte do público era de argentinos e participavam da festa agitando bandeirolas argentinas, marcando os ritmos com palmas e cantando as canções famosas. A dança gaúcha argentina mostrava a tradição e a masculinidade do homem campesino.

A rainha da noite anterior foi reapresentada. O néctar dos Deuses. Não era a maça proibida! Mas foi considerada a melhor das uvas!
Aquela capaz de prover o melhor vinho, com o mais belo tom, o mais equilibrado bouquet e o mais envolvente gosto. Um toque equilibrado que fez emitir aplausos da plateia e embriaguez no Deus romano Baco. Ou melhor, como estamos em um anfiteatro grego, A Rainha, acabou deixando o Deus Dionísio em estado de embriaguez, o que para ele não era novidade.
Que festa!

E eu, apreciava tudo aquilo com uma garrafinha de água na mão.

Com exceção do carnaval no Rio de Janeiro não lembro em ter visto um espetáculo de igual magnitude. Fui pra casa, cansado, mas com a certeza que valeu ter esperado por aquela noite.
Voltei de ônibus para o mesmo ponto de partida. Caminhei até o hostel e coloquei o despertador para acordar cedo.


Dia 03 – Segunda-feira - 06/03/2016 – Mendoza / Córdova



Tomei o café da manhã servido pelo hostel e paguei  o valor de uma diária na recepção para reservar um quarto privativo para minha prima Rafaela e seu marido, Luis. Eles chegariam de Buenos Aires no dia 08. Luis foi participar de uma competição de triátlon no domingo e eles aproveitarem alguns dias para conhecer a capital argentina.

Mas era a minha hora de partir para Córdova. Tomei um táxi para a rodoviária de onde havia algumas empresas que faziam a rota com preços muito similares. Fui surpreendido ao perguntar sobre a previsão de duração da viagem. Seriam 12 horas. Mas não haveria escolha.

Comprei a passagem com a empresa Cata e um vinho para ser degustado durante a viagem. Afinal, não havia bebido a bebida pela qual Mendoza é tão famosa.

O ônibus semi-cama era confortável. Em viagens como essa a paciência é a alma do negócio. 

Tranquilidade para dividir o tempo entre a contemplação das paisagens, pequenas sonecas, filmes que eram apresentados no ônibus e goles de vinho direto da garrafa.

Por boa parte do percurso os Andes estavam à esquerda. A vegetação árida de um clima semi- desértico apresentava belas paisagens.O verde predomina nesta época do ano.

A estrada quase sempre era reta e poucas vezes o caminho passava por morros. Mendoza tem uma altitude de 746 metros. Córdova de 352 metros. Pouca variação. Passamos por alguns vilarejos e pela Villa Carlos Paz que me chamou a atenção pela beleza do lago San Roque.

Ao chegar a rodoviária 30 minutos antes do horário previsto, tomei um táxi para o Happy Hostel , que minha amiga cordovesa Luciana tinha me indicado. Ao avisá-la pelo aplicativo Whats App que já tinha chegado ela me disse que estava me esperando na rodoviária.

O simpático recepcionista alemão arrumou um local seguro para eu deixar minha câmera fotográfica já que no meu quarto não havia um locker.

Aproveitando o momento em estava em Córdova (estranho escrever assim, pois sempre falei Córdoba) a primeira bebida da noite não poderia deixar de ser um fernet coca. Chamava este drink de fernet cola, mas fui corrigido por minha amiga Luciana, já que a bebida, de origem italiana, é sempre misturada com coca cola.

Luciana chegou e me recebeu com muito carinho. Logo começamos a conversar sobre nossas histórias de quando éramos tripulantes de navios de cruzeiros. Tenho relatos escritos sobre esta maravilhosa experiência.

Ela lembrou do dia em que fomos recebidos em Santos pelo meu amigo Tiago Pansani que nos levou até minha casa em Santos onde almoçamos com meus pais e eu voltei dirigindo em alta velocidade para não chegarmos atrasados. Falamos sobre nosso amigo em comum Gabriel Parreira, seu companheiro de trabalho e meu cabin mate e várias outros momentos inesquecíveis.

Começou a chover forte e hesitamos em sair do hostel. Ela estava com muita fome. Então não pensei duas vezes ao ver um guarda-sol apoiado na parede. Saímos no meio do temporal quando percebi pessoas rindo ao nos ver.  Acho que a naturalidade com que tive aquela atitude mostra minha praticidade e criatividade em resolver os eventuais problemas da vida.

O que importa é que protegidos da chuva ainda pudemos olhar e escolher entre dois restaurantes. 

Optamos por um deles e  por pedir meia pizza com uma Quilmes Stout, cerveja apropriada para aquela noite de temperatura amena e muita água caído do céu. Conseguíamos ver a água passando em velocidade acelerada pela rua.

Tivemos mais bons momentos de memórias até que chegou a hora de nos despedirmos.  Luciana me deu boas dicas do que poderia fazer no dia seguinte.


Como é bom poder viajar pelo mundo e rever bons amigos!!!


Dia 04 – Terça-feira - 07/03/2016 – Córdova

Obviamente informação é tudo no que diz respeito a programar um dia de viagem. Uns estabelecem o dia-a-dia com antecedência. Eu prefiro ter uma pequena noção dos atrativos turísticos à disposição. 

Porém, sabendo que a “autenticidade” da viagem está muito além de tirar fotos nos lugares mais conhecidos.

Assim, sabendo que teria pouco tempo em Córdova, decidi que seria interessante conhecer dois locais: o museu do Chê Guevara e uma vila de estilo inglês chamado Vila Belgrano.

Precisava em primeiro lugar fazer um câmbio e descobri que para isso era só seguir a própria rua do hostel, a Independência, até o centro. Logo percebi por que a esta é a segunda cidade mais populosa da Argentina, com cerva de 1,3 milhão de habitantes. Ainda assim, pequena, se compararmos com as maiores cidades brasileiras.

Dei uma parada na Nativo Viajes, agência indicada pelos recepcionistas do Happy hostel para ver se haveria algum passeio que me interessasse. Porém, nenhum para ver o Chê naquele dia. O atendente me apontou no mapa o terminal de minibus de onde partiam coletivos para Alta Gracia.

Continuei a caminhar até chegar a Catedral e ao Cabildo. Lugares que só fotografei por fora. Tinha que manter o foco.

Achei uma casa de câmbio onde pagavam 15,25 pesos por dólar. Foi o melhor câmbio da viagem! Troquei 300 doletas.

Dirigi-me então até o terminal e com facilidade encontrei meu transporte. A medida que ia saindo da cidade percebi alguma semelhanças com os subúrbios de Havana. O que me deixava mais animado em ir para o meu destino.

Percebendo que já estava em Alta Gracia pedi para que o conductor me avisasse o ponto onde deveria parar. Próximo dali me chamou a atenção de uma estátua de um índio com arco e flecha em posição de ataque. Era o símbolo do meu signo. Parei para tirar foto e observar as características dos fortes traços no nativo.

não havia uma boa sinalização para chegar ao museu tive que pedir um direcionamento. Muito residencial aquele local. Calmamente fui caminhando pelo terreno acidentado observando as belas casas. Ótima temperatura! Um gatinho miou para mim e atravessou a rua. 

Ofereci uma bolacha salgada, mas ele não aceitou. Brinquei um pouco com o felino e comecei a caminhar. Ele me acompanhou por alguns metros, mas logo percebi seu olhar de receio em sair de sua área.

Não faz mal, gatinho, você já fez seu papel ao me dar as boas-vindas! Pensei...

Depois de alguns quarteirões avistei a casa do Chê.

Com meu boné cubano entrei na intimidade daquele que foi considerado um dos maiores heróis da América Latina. Ernesto Guevara de la Sierna, o Ernestito nasceu em Rosário, porém sua família mudou-se para Misiones entre outros locais.

Porém Enestito tinha asma crônica e “um amigo da família recomendou que fossem para Alta Gracia, uma estação de águas no sopé das Sierras Chicas, perto de Córdoba. O lugarejo tinha um ótimo clima seco, ideal para doentes das vias respiratórias.“ (http://professor-josimar.blogspot.com.br/2011/02/infancia-de-che-guevara.html)

Estamos falando dos anos 30. A família de Chê tinha boas condições financeiras.

Assisti a um vídeo que mostrava relatos de pessoas que conviveram com a família e com o menino. 

Contavam sobre seus tipos de brincadeiras preferidas, sua facilidade e interesse nos estudos e sua personalidade meiga e caridosa.

Seus ideais revolucionários logo aflorariam ao perceber as injustiças que ocorriam na América.

Independentemente se ser argentino comprou a briga dos cubanos que eram assolados por uma ditadura de Fulgêncio Batista. Como já escrevi em relato anterior da minha viagem a Cuba, a ilha era o quintal de diversões dos americanos. Analfabetismo e caos social assolavam o país.

Independentemente de ter convicções esquerdistas lutava contra as injustiças no mundo. E essa, em minha opinião, é a sua maior inspiração. 

Morreu defendendo seus ideais. Por isso se tornou um mártir!
“... sean siempre capaces de sentir en lo más hondo, cualquier injusticia cometida contra cualquiera em cualquier parte del mundo. Es la cualidad más linda de un revolucionario!  Carta aos seus filhos. Outubro de 1966.

Saindo do museu vi uma loja de souvenir onde resolvi comprar umas coisinhas. Principalmente uma camisa para meu pai. Então fui almoçar. Comi um belo filé de frango e quando acessava a internet vi o convite da Lucia, amiga dos meus pais há anos, para que eu fosse jantar na sua casa. Ela tinha visto minhas postagens do dia seguinte e descobriu que eu realmente eu fui a Córdova. Topei o convite! 

Elas disse que sua filha Camila passaria para me buscar no hostel.
Caminhando de maneira agradável resolvi me dirigir ao complexo jesuítico que havia visto quando chegava a Alta Gracia.

Na verdade aquele era o Museo Nacional Estancia Jesuítica de Alta Gracia, Patrimônio da Humanidade. No complexo construído no século XVII havia a residência dos jesuítas, a igreja e outras atividades produtivas nas quais eram utilizados escravos negros.

Eles criarão o Colégio Máximo que veio a se tornar a primeira universidade argentina.

No museu estão expostos objetos de grande importância que evocam a vida cotidiana e a as formas de trabalho da antiga estância, além de várias artes sacras. Era um lugar gostoso de visitar.

Logo ao sair vi uma lojinha de souvenirs onde resolvi comprar um imã de geladeira para minha extensa coleção.

Caminhei mais um pouco explorando meu “pau de selfie” e fui seguindo um rio que corta a cidade. 

Logo me informei sobre onde deveria tomar o ônibus para Córdova.

Ao chegar ainda dei uma boa caminhada no parque Sarmiento antes de ir para o hostel e ficar conversando com um pessoal que estava de bobeira por lá... Em Córdova e no hostel há muitos estudantes de diversas partes da Argentina e do Mundo.

Tomei um banho e aguardei Camila.

No entanto quase uma hora depois do horário previsto ela ainda não tinha chegado. Mandei uma mensagem para a Lucia perguntando se a sua filha tinha se esquecido. A fome já tava batendo.

Reparei que em frente ao hostel havia uma moça olhando no celular com cara de perdida. Perguntei se ela era Camila e assim encontrei com ela.

Fomos de carro até a casa de sua mãe que aguardava com sua outra irmã, Fernanda. Foi uma 
satisfação ver a Lucia e cumprir com meu plano de viajar a Córdova. Fui muito bem recebido e convidado a experimentar um drinque aperitivo com um Cynar, suco de laranja e água com gás. 

Diferente e gostoso!

Logo as empanadas feitas por Camila ficaram prontas e iniciamos o jantar com ensalada, papas e delicioso e macio matambre de cerdo. Acompanhado obviamente de vinho. Uma delícia!

As meninas vibraram com a comida dizendo que eu deveria aparecer mais vezes por lá, já que não estavam acostumadas com jantares especiais como aquele. Compreensível, já que elas têm uma vida agitada entre trabalho e estudos.

A conversa foi muito interessante e ao mesmo tempo divertida. Falamos sobre política e as semelhanças e diferenças entre Brasil e Argentina, neste momento de mudanças significativas em ambos os países. Sobre acontecimentos históricos na Argentina e sobre temas polêmicos como a legalização da maconha.

Sentia-me como em uma série de comédia ao vê-las em suas discussões familiares nas ações corriqueiras, cotidianas. Enfim, me senti super bem acolhido e querido.

Como eu comentei que ainda estava disposto a conhecer a noite da cidade, Camila disse que poderia me acompanhar. Fernanda nos convidou para darmos uma passadinha para conhecer sua casa e assim me despedi de Lucia.

A casa onde mora Fernanda é bem ampla e com decoração alternativa com móveis antigos. Uma casa cheia de personalidade onde ficamos por mais um tempo conversando.

Fomos então para o lugar que me haviam recomendado: Maria Maria. Camila disse que não era o tipo de lugar que gostava de frequentar. Comentou sobre o bar Pétalos de Sol, que ficava bem próximo. 

Disse que poderíamos passar por lá. Era um barzinho underground onde tomamos uma cerveja da Pale Ale da marca Patagonia.

Voltamos à frente do Maria Maria e resolvemos entrar. Estava lotado. Mal conseguíamos conversar, mas foi bom ter voltado a ouvir as músicas que tocam nos boliches argentinos.

Terminamos a noite nos despedindo na Cañada, um canal que é uma grande referência da cidade.


Dia 05 – Quarta-feira - 08/03/2016 – Córdova

O destino escolhido para este dia era a Villa General Belgrano. Ouvi falar que era um local turístico que valia a pena conhecer.

Após o café da manhã arrumei minha bagagem e acertei minhas contas no Happy Hostel. Só voltaria no começo da noite para buscar meus pertences antes de viajar.

Cheguei a cogitar de voltar de avião, mas achei mais simples tomar um ônibus noturno.

Então caminhei até a rodoviária para descobrir que Sierras de Calamuchita era a companhia transportadora. Tive sorte em chegar bem próximo ao horário de saída.

A viagem foi agradával. Chegamos à rodoviária onde havia um guichê de informações turísticas. 

Peguei um mapa e achei interessante poder visitar uma fábrica de cervejas. Então caminhei até a rua principal e me surpreendi em ver pouquíssimas pessoas na rua. A medida que via que muitas lojas estavam fechadas desconfiei que não estavam abertos na baixa estação.

No entanto descobri que por ali adotavam a siesta, ou seja, fechavam em um determinado horário e abriam por volta das 15 horas para descansarem e retomarem suas atividades.

Como já estava com fome resolvi parar para almoçar. E como estava em uma vila de tradição alemã, por quê não experimentar um prato típico? Chucrute com linguiça!

Após a refeição continuei a caminhada e parei para um café. O local lembrava Campos do Jordão devido às construções feitas com muita madeira, que lembram as construções da Baviera, às lojas de chocolate, além de toda a atmosfera serrana.

A cidade que tem menos de 10 mil habitantes está localizada nas serras de Calamuchita. A vila organiza a famosa festa Oktoberfest. E é o terceiro maior evento. Está atrás apenas de Munique e Blumenau (Brasil).

Os doces estavam presentes em várias lojas assim como as cervejarias artesanais. Queria subir ao principal mirante da cidade, mas estava fechado para manutenção. Optei por dar uma caminhada em direção aos arroyos (rios). Fiz um agradável passeio passando por coníferas, avistando pássaros e contemplando os momentos de lazer das pessoas que ali estavam.

Voltei a rua principal onde parei em um restaurante para tomar vagarosamente uma cerveja frutada como digestivo. Percebi que a circulação de pessoas aumentava e logo chegaram grupos de turistas.

Por voltas das 16:30 voltei para a rodoviária para retornar a Córdova. Mais familiarizado com a cidade pedi para descer do ônibus em local mais próximo ao hostel e assim tomei um banho, peguei minha bagagem e um táxi para a rodoviária onde  jantei uma massa que estava bem ruim.

Comprei um imã de geladeira e logo estava bem acomodado no ônibus que faria o percurso até Mendoza em cerca de 10 horas.



Dia 06 – Quinta-feira - 09/03/2016 – Mendoza

Ao chegar à rodoviária de Mendoza peguei um táxi para o hostel Alamo. Logo que cheguei encontrei minha prima Rafaela e seu marido, Luis. Planejamos esse encontro na Argentina em uma conversa na viagem que fiz para Curitiba para passar com eles a comemoração de réveillon. Felizmente deu tudo certo e a satisfação em vê-los foi imensa.

Comentei que havia ouvido falar de um trem que iria de Mendoza para uma região vinícola próxima. 

Confirmei as informações com o recepcionista do hostel e logo saímos para comprar os bilhetes do trem.

A estação ficava próxima e logo embarcamos no trem vermelho da linha verde, com destino a Maipú, cidade da grande Mendoza.

A temperatura era agradável e a viagem não levou uma hora. Logo, desembarcamos em Maipú e vimos um guichê de informações turísticas. O atendente no informou pacientemente as opções de lazer da cidade e como poderíamos chegar a esses lugares. Gostamos da opção de alugar bicicletas. 

Caminhamos umas três quadras e encontramos a Vista Bike.

Saímos como três crianças a explorar um parque de diversões. Só que uma das grandes brincadeiras era algo que as crianças não podem fazer: beber vinhos. Então a primeira parada foi uma das vinícolas das Bodegas Lopéz, fundada em 1898 por imigrantes espanhóis.

Tivemos a sorte de chegar justamente quando o tour de apresentação estava iniciando. Uma charmosa monitora nos explicou sobre o processo da produção de vinho e o posicionamento desta bodega que tem foco no mercado argentino.

Prosseguimos nosso passeio ao avistar uma construção antiga que nos despertou curiosidade. Também faziam uma visita monitorada para mostrarem a maior barriga de vinho da região. Aquela bodega tinha sido desativada na época da ditadura militar. Optamos por apenas comprar uma garrafa de vinho e ficar conversando naquele ambiente aconchegante.

Era hora de almoçar então paramos em restaurante. Optei por comer coelho ensopado. Luis pediu carneiro ensopado enquanto Rafaela ficou no bife argentino. Queijo com doce de leite foi a sobremesa compartilhada.

Tínhamos que prosseguir! Retomamos a pedalada. Ficamos sabendo sobre uma vinícola orgânica e fomos conferir. Saímos da avenida principal e seguimos por uma via de terra com brita. Rafaela teve o pneu da sua bicicleta furado. Mas continuamos mesmo assim.

Chegamos a vinícola da família Cecchin e fizemos um breve tour. Provamos uvas tiradas diretamente do pé. No final compramos um vinho para tomar em outra ocasião.

Tínhamos um último objetivo: visitar uma das fábricas de azeite. Com um pouco de sacrifício Luis conduziu a bicicleta que tinha o pneu furado para chegarmos à fábrica XXXX. Mais uma vez demos sorte, pois havia um grupo de pessoas que acabara de iniciar uma visita monitorada na qual nos inserimos.

Bem interessante!
Mas já era hora de retornarmos para entregarmos as bicicletas e retornarmos a Mendoza novamente em trem.

Chegamos e demos uma descansada. Não consegui dormir como estava querendo. Fui para a sala de estar do hostel onde comecei a conversar com um senhor americano, o David. Também conheci o Abel, alpinista africano que veio para Argentina especialmente para subir ao Acongágua, o maior pico do hemisfério sul, com 6960 metros. O Luis e a Rafaela chegaram e ficamos conversando com nossos novos amigos. Eu preparei um fernet-coca que poucos costumam gostar ao provar pela primeira vez e abrimos o vinho comprado à tarde.

Após a conversa saímos para jantar. Levei-o aquela rua que havia ido na minha primeira noite em Medoza, a Aristídes Villanueva. Ficamos um pouco por alí e planejamos o passeio do dia seguinte. 

Alugaríamos um carro para explorar a região. Como estávamos cansados, optamos por voltar ao hostel e descansar para mais um dia cheio de atividades.



Dia 07 – Sexta-feira - 10/03/2016 – Mendoza

Ao encontrar o novo amigo americano David no café da manhã o convidei para passar o dia conosco. 

Ele tinha comprado um tour em vinícolas, porém quando soube que o nosso plano era alugar um carro e explorar a região ficou a animado. Enquanto ele tentava adiar seu passeio e enquanto a 

Rafaela arrumava as coisas eu e Luis fomos até a rua onde se concentram as locadoras.

Optamos por alugar um carro simples na Avis, pegamos uns mapas e umas dicas com o atendente e fomos buscar nossos acompanhantes. David conseguiu adiar o tour e por isso pode se juntar a nós.

Acordamos que a primeira parada seria na região de termas, localizadas em Luján de Cuyo. Saímos da cidade e pegamos a estrada com um dia lindo e ensolarado. Eu estava dirigindo e sentia a liberdade de mobilidade que um carro pode proporcionar e a boa energia dos companheiros de passeio.

As paisagens eram belíssimas! Percebemos que o rio Mendoza era uma grande referência no nosso passeio. Estávamos equipados com um GPS também alugado para facilitar nossa chegada aos locais desejados.

Percebemos que o rio era belíssimo e que era utilizado para passeios de rafting. Decidimos dar uma parada para contemplá-lo. Atravessamos para o lado esquerdo da estrada quando vimos avisos que mostravam a presença de um tipo de mirante. Entramos em uma área que havia uma corrente, como se fosse um tipo de portaria. De repente apareceu um divertido palhaço que nos recebeu com extremo humor e nos explicou que aquela era uma área privada e que liberaria nossa entrada mediante o pagamento de alguns pesos.

Não nos incomodamos em pagar e ele então acionou uma engenhoca que fez com que a corrente caísse liberando a passagem. O palhacinho jogou um monte de balas dentro do carro. Achamos aquilo tudo muito criativo.

Estacionamos o carro e caminhamos rio acima para vislumbrar a beleza paisagística e com uma água com um maravilhoso tom de verde claro. O sol era ameno. Tiramos boas fotos e ficamos conversando por alguns minutos antes de prosseguirmos nosso passeio.

Estávamos nos movendo em direção aos Andes Argentinos e logo a estrada ficou mais sinuosa. Passamos pelo meio de altas formações rochosas até chegarmos ao hotel Termas Cacheuta, conforme o gps nos indicava. Era um lugar muito bem cuidado. Ao perguntarmos sobre o valor do day use percebemos que aquele era um spa sofisticado. Não estávamos dispostos a pagar tanto e também nem poderíamos já que não havia mais disponibilidade para aquele dia.

Fomos informados que se prosseguíssemos pela estrada encontraríamos um local mais popular. Então voltamos ao carro e chegamos à entrada das Termas de Cacheuta!

Estacionamos o carro e fomos atravessar uma ponte suspensa com o objetivo de contemplar o local. 

Parecia um cenário de filme de faroeste americano. Então nos dirigimos à entrada do parque.

Logo estávamos relaxando nas piscinas de água quente. Umas mais outras menos quentes. Ao gosto do cliente.

O parque é grande e possui uma área coberta e outra maior e descoberta. O sol estava forte e ficamos por ali conversando até que ao ver um anúncio de um dos bares do parque sugeri que poderíamos tomar cerveja artesanal.

Não queríamos ficar o dia todo no parque, pois ainda havia muito a ser explorado. Tomamos uma cerveja de coloração avermelhada e voltamos à estrada. Luis, meu copiloto, deu uma consultada no nosso mapa. Deixamos a região das termas com destino a Lujan de Cuyo, que fica mais próximo à Mendoza.

No caminho estavam várias vinícolas famosas como a Norton. Tentamos realizar uma visita nesta e não fomos bem sucedidos, pois já havia passado o horário. Tivemos sucesso ao descobrirmos o Viñedos y Bodega Cabrini. Ali, fizemos um tour gratuito com degustação e fomos muito bem atendidos. A monitora nos explicou sobre a história do fundador Don Eliseo Cabrini, um imigrante italiano que elegeu o distrito de Perdriel para cultiva o seu primeiro vinhedo de malbec.

Compramos umas garrafinhas de vinho e decidimos voltar para Mendoza. Rafaela e Luis tinham comprado as passagens para retornarem a Buenos Aires de onde voltariam para Curitiba. Era uma pena! Comemos na rodoviária e tivemos que nos despedir.

Foi muito legal estar com meus primos!

Voltei com David para o hostel. Ele sugeriu fazermos um jantar. Por isso, fomos ao supermercado e compramos carne e alguns vegetais e legumes. Eu mesmo preparei o jantar fazendo um misturado interessante que rendeu vários elogios do David e do alpinista Abel.

Mesmo estando cansado sugeri ao David aproveitarmos para explorarmos a noite em Mendoza. 

Como nos indicaram havia uma grande concentração de bares na Rua San Martín Sur. E pra lá fomos!

Entramos no bar temático Maldito Perro. Um bar de rock. Gostamos bastante da decoração e do ambiente. Sugeri que David experimentasse uma caipirinha, que mesmo realizado em estilo argentino representava a cultura brasileira. Ele gostou bastante!

Tivemos mais alguns momentos de boa conversa antes de voltarmos ao hostel para descansarmos. Mesmo cansado ainda prorrogaria a curtição não fosse o respeito à idade do Mr. David sempre disposto.



Dia 08 – Sábado - 11/03/2016 – Mendoza

Este foi meu último dia de viagem. Acordei cedo para entregar o carro na locadora. David foi comigo. Eu dedicaria a manhã para fazer as últimas compras. E depois de passarmos pelo cassino só para dar uma olhada paramos em uma loja com artigos artesanais. Comprei um jogo de mesa americano e um pano para cobrir o sofá. Este acabou ficando perfeito na sala da casa dos meus pais em Santos.

Também passamos no supermercado onde comprei uma garrafinha de fernet na sua nova versão “menta”.

Logo, paramos para almoçar. Estava feliz, certo de ter tido uma viagem bem agradável, com experiências bem variadas e com os objetivos que foram traçados cumpridos.

Por agradecimento e satisfação pela boa companhia de David paguei o almoço. Ele ainda retornou comigo ao hostel para buscar minha bagagem e encontrar um táxi que me levaria ao aeroporto.

Assim, nos despedimos com a esperança de que um dia poderemos planejar uma nova viagem. Ele viaja muito! E ainda não conhece o Brasil.

Ainda deu tempo de comprar um doce de leite e uma última garrafa de vinho para levar ao Brasil.


Afinal, “se a Mendoza vino y no bebes vino... a que mierda vino!?”

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Mãe da Terra

Expedição África do Sul




Introdução

Ah... se eu pudesse conhecer a África do Sul durante a Copa do Mundo de 2010. Seria uma experiência maravilhosa! Seria a primeira vez que presenciaria o maior evento do planeta. Porém, como nunca é tarde para realizarmos nossos desejos, mesmo atrasado, resolvi conhecer este país que mexia com minha imaginação.

Sabia que nele havia várias línguas oficiais, que era um país muito miscigenado como o Brasil, mas que ainda assim, havia uma grande luta pela igualdade racial e que o índice de pessoas contaminadas pelo HIV era muito alto. Por outro lado, tinha a impressão que o povo era muito animado e sabia que gostavam muito de futebol. A Copa do Mundo mostrou um pouco sobre o país e me instigou ainda mais a curiosidade.

Como não poderia deixar de ser comecei a planejar minha viagem assim que tive definida a data de minhas férias. Adoro este processo de pesquisa e de tomada de decisões!

Como minha namorada já tinha visitado o país, comecei pedindo dicas à ela que me indicou uma empresa que fazia safaris, a Nomad Tours. E assim, com o auxílio de Fernanda, uma brasileira que morava e trabalhava na África do Sul, comecei a montar o quebra cabeças para que minha viagem pudesse ser o mais completa possível para o tempo que eu tinha disponível.

Três experiências não poderiam deixar de serem vivenciadas: uma era simplesmente participar de um safári para ver os animais selvagens. Talvez este seja o atrativo turístico mais característico do país. 
Neste caso, optei pelo destino mais famoso, o Kruger Park. A outra experiência imperdível seria conhecer a Cidade do Cabo, eleita uma das mais belas cidades do mundo. E a terceira conhecer uma das regiões produtoras de vinho e pela conveniência da localidade, próxima à Cidade do Cabo esta provavelmente seria Stellenbosh.

O voo escolhido passaria primeiramente por Joanesburgo. Poderia começar minha viagem por lá ou optar por voltar para a Cidade do Cabo para realizar a viagem pelo sentido inverso. Verifiquei as datas das saídas do safári e decidi pela primeira opção. Chegaria pela manhã em Joanesburgo e logo embarcaria numa viagem rodoviária para o Kruger Park, cerca de 400 km distante.

Apesar de ter sido “conservador” por escolher um destino conhecido para realizar o safari resolvi inovar ao escolher a maneira de fazer a viagem. Optei por contratar o serviço da Nomad tours na qual o transporte é feito por um caminhão adaptado com uma grande infra-estrutura. As acomodações podem ser realizadas em lodges ou em barracas. Optei pelo acampamento pela experiência. Parecia ser uma maneira mais instigante.

Uma amiga me emprestou um guia da Folha de São Paulo sobre o país e ao ler outras informações em outras fontes de pesquisa já me considerava minimamente instruído para não ter surpresas desagradáveis. Porém, um grande contratempo ocorreu.

No domingo dia 03 de novembro de 2013 fui para a praia em Santos com minha namorada para curtir os momentos anteriores à viagem. Comecei a pensar sobre ela quando lembrei que o início do safári estava marcado para o dia 04. Achei estranho, pois estava muito em cima da hora. De repente um calor desesperador subiu ao meu corpo quando surgiu a ideia de que eu poderia ter me confundido com a data de viagem. Pensei novamente e percebi que fazia sentido. Eu tinha me enganado. Logo eu. Aquele viajante tão organizado!

Voltei para casa e peguei as informações sobre o bilhete aéreo. A saída estava marcada para as 02:30 da manhã do dia 03, e não do dia 04. Senti-me um estúpido, mas tinha que resolver a situação o mais rápido possível. Liguei para a minha agente de viagens que disse que iria tentar por seus meios a remarcação da passagem sem custos ou com o mínimo de custos possível.

Ela verificou os horários de vôos daquele dia e me informou que haveria um no final da tarde. Se eu embarcasse naquele vôo teria chances de chegar em cima da hora para iniciar a viagem que me levaria ao safari do Kruger Park. Seu conselho foi que eu fosse ao aeroporto e explicasse a confusão pessoalmente. E foi o que eu fiz.

O atendente explicou que a categoria da minha passagem não permitia alteração, ou seja, teria que comprar uma nova e solicitar um reembolso, que dificilmente conseguiria.

Assim teria que pagar quase R$ 2500 para não cancelar meus planos. Diante da situação mantive a calma e pedi para o atendente cobrar a passagem no meu cartão. Nada me faria desistir da minha viagem de férias.

Assim que comprei a passagem avisei a Fernanda que assim que desembarcasse iria diretamente ao ponto de encontro.
A adrenalina já tinha começado antes mesmo da viagem.


  
Dia 1 – Joanesburgo / Kruger Park – segunda-feira, 4 de novembro de 2013




Cheguei a África do Sul no horário previsto, as 07:05. Descemos do avião e pegamos um ônibus interno para fazer chegar ao terminal de desembarque. Percebi que havia uma enorme fila e por isso procurei um funcionário do aeroporto para explicar minha urgência. Ele me colocou na frente da fila e um pouco constrangido, porém com a certeza de que aquilo era necessário dei entrada nos trâmites de imigração para dar entrada no país.

Cheguei à área de retirada de bagagem e chequei o horário. Já eram 7:30 e a saída para o safári estava marcada para as 8:00. Algumas malas começaram a sair e o tempo ia passando. Comecei a ficar agitado. Pensei que a melhor atitude seria avisar a Nomads que eu já tinha desembarcado. Percebi que uma senhora, que parecia ser guia de turismo estava usando o celular. Assim que ela desligou expliquei a situação e pedi para utilizar seu telefone.

Consegui contato com a agência e avisei que em breve chegaria no ponto de encontro, um hotel distante poucos quilômetros. Fiquei mais tranquilo, porém ainda assim teria que descobrir de que parte do aeroporto sairia o transfer para o hotel Garden Court O.R. Tambo.

Finalmente avistei minha mala, peguei-a e me informei sobre o transfer. Caminhei uns 200 metros e logo encontrei o motorista da van correta. Ele disse que eu estava com sorte pois já estava partindo.

Em menos de dez minutos chegamos ao hotel e logo pude ver o caminhão branco da Nomads. Eram mais ou menos 8:05. Que alívio! Paguei o transfer e me apresentei ao guia Allen e ao motorista Stephen. Entrei no veículo cumprimentando o pessoal e deixei minha bagagem próxima ao único lugar disponível, no fundo do caminhão.

Conheci um alemão de Colônia e passados uns 15 minutos iniciamos nosso longo percurso até o parque nacional.

Na véspera de viagem eu tinha machucado minha costela ao jogar futebol. E à medida que o caminhão chacoalhava eu sentia uma forte dor. Foi bem difícil o início da viagem mesmo com toda a empolgação de uma expedição inédita.

Por volta do meio dia os guias pararam o caminhão no acostamento da estrada e informaram que seria preparado o nosso almoço. Assim num espírito colaborativo todos ajudavam a montar as mesas, lavar e preparar os alimentos, basicamente sanduíches com frios e diversos tipos de molho, acompanhados de sucos. Era incrível ver como o caminhão era planejado para guardar toda a estrutura que necessitávamos. Tinha até uma enorme geladeira.


Passei a conhecer alguns dos viajantes. A maioria era de alemães, seguidos por americanos, australianos, Eu era o único representante sem compatriota.

O início do percurso era uma grande reta. A estrada era muito bem conservada e como eu já sabia os condutores dirigem na “mão inglesa”. Na vastidão da geografia africana desfrutávamos da nossa refeição com o ruído dos veículos que passavam de tempos em tempos como flechas nos dois sentidos.

Desarmamos a estrutura, lavamos os utensílios e voltamos à viagem. Com paciência escutava um pouco de música no ipod e lia sobre a África do Sul. Sentia um pouco de cansaço e a dor na costela. Próximo ao final da tarde paramos em um centro de reabilitação de animais selvagens, chamado Maholoholo. 

Fomos recebidos por um guia que nos mostrou alguns ossos de grandes mamíferos e posteriormente nos conduziu aos cativeiros de diversas aves de rapina, do leão, leopardo, hiena, chitas e de roedores africanos.

Já estava quase anoitecendo quando voltamos à estrada. Como eu estava ansioso parecia que a viagem não tinha fim. Afinal, já estava mais de 24 horas viajando desde o Brasil. Nosso guia pediu desculpas explicando que tiveram que mudar o roteiro daquele primeiro dia de viagem o que causou um atraso. Chegamos no Nkambeni Safari Camp às 20:30 e pelo atraso os que ficariam acampados, como eu, ganharam hospedagem nas habitações do lodge.

Depois de um percurso de mais de 500 km por terra seria ótimo tomar um banho quente, trocar de roupa, jantar e ir direto para a cama. Impressionei-me com a arquitetura da casinha onde fiquei. Era erguida pelo sistema de palafita, toda de lona com proteção contra inseto nas janelas. Notava-se que era uma construção ecologicamente correta que não causava um impacto visual agressivo ao entorno.

Fui jantar e sentei-me com um casal alemão com o qual fiquei conversando. Comi um tipo de feijoada com purê, carne, arroz e feijão. Uma comida bem parecida com a nossa. Senti-me em casa. 

O guia, Allen, sentou em nossa mesa para passar a programação do dia seguinte. Fui surpreendido com meu telefone celular do trabalho que tocou. Expliquei ao cliente que estava de férias e voltei para meu alojamento dormir por volta das 23hs. Estava com o corpo moído. Conectei meu carregador de baterias para ter o meu equipamento fotográfico pronto para o safári. Nunca tinha visto uma tomada daquele formado. Dois pinos cilíndricos paralelos, mas com um diâmetro bem maior do que estamos acostumados. Tive que pedir um adaptador na recepção. Deitei-me e dormi subitamente nos macios travesseiros africanos. Descanso merecido e necessário.


Dia 2 – Kruger Park – terça-feira, 5 de novembro de 2013

Meu wake up call (despertador) não foi uma ligação no quarto e sim algo mais original. Afinal, estava na África.

Aproximadamente às 04:45 da manhã acordei com uma forte batida na porta e logo imaginei que era o Allen, nosso guia. Tomei mais um banho para dar aquela despertada e notei que a água escoava entre as madeiras do piso. Preparei minha mochila com um lanchinho para a trilha. Faríamos um safari a pé pela savana sul africana.

Cheguei ao ponto de encontro e aos poucos os demais foram chegando. Já estava claro e a luz era bem amena, ideal para tirar fotos. Fazia um pouco de frio. As caminhotes abertas estavam estacionadas e mesmo sem café da manhã embarcamos para a aventura.

Estava com minha câmera equipada com uma lente teleobjetiva para captar imagens à longa distância. Deixamos o complexo turístico passando pelo portão chamado Numbi e pegamos a estrada asfaltada.

Como a caminhonete era aberta o vento frio incomodava um pouco. Eu estava sem casaco e por isso usei uma toalha que envolvia a câmera para proteger-me. Os primeiros grandes animais a serem vistos foram os filhotes de cervos.

Cerca de 20 minutos após a partida paramos e desembarcamos. Os guias prepararam seus rifles e nos passaram algumas instruções. O guia principal era um rapaz loiro e o guia de apoio um negro mais velho com cara fechada, muito observador. Eles pediram para andarmos próximos uns dos outros e para tentarmos manter o silêncio para não afastarmos os animais.


Eu não tinha estudado muito a programação do safári e me surpreendi ao saber que andaríamos em plena savana selvagem. E para minha surpresa os dois guias ficavam na frente do grupo, o que em minha opinião não é uma prática correta.

Como eu parava para tirar fotos acabei ficando por último e às vezes ficava distante do grupo sem lembrar sobre eventuais ameaças. Chegamos a uma poça de água e os guias nos mostraram a ossada da cabeça de um grande mamífero.

Prosseguimos a caminhada e avistamos um búfalo que nos fitava fixamente de longe. Tentamos nos aproximar, mas aos poucos ele ia se afastando. Mais à frente vimos um rinoceronte branco. Os guias fizeram um caminho diferente para tentarmos nos aproximar o máximo possível. Deu para tirar algumas fotos a uns 50 metros de distância.

O sol começou a ficar mais forte e paramos para dar uma descansada e fazer um lanchinho. Ficamos conversando e logo fizemos o caminho de retorno quando a uma grande distância vimos um elefante.

Mas o mais surpreendente foi ver um pequeno felino dentro de um buraco no tronco de uma árvore com vários filhotinhos.

Sem dúvidas este passeio foi bem interessante. Afinal, não é sempre que podemos estar cercados de vida realmente selvagem.

Voltamos para o Lodge em torno de 9:20 quando tomamos preparamos um café da manhã e fizemos o check out para continuarmos com a programação.

Voltamos para nosso caminhão e passamos a fazer um game drive, safari motorizado. De repente o guia parou e nos mostrou uma pequena tartaruga no meio da estrada e logo mais à frente besouros rolando uma espécie de bolas de fezes. Muito bizarro!

Ao decorrer do caminho também vimos zebras e impalas. Chegamos a outro complexo turístico o Pretorius Rest Camp, no final da tarde. Tínhamos a opção de fazer um game drive noturno, porém eu recusei. Já tinha visto muitos animais.

Aqueles que iam acampar armaram suas barracas. Eram barracas grandes e eu fiquei sozinho. 

Descobri que havia uma piscina e aproveitei para dar um mergulho.

Os passarinhos cantavam bastante e eu ficava pensando no dia que tive, na liberdade e na satisfação de estar no continente africano.

Liguei para minha família para dizer que estava vivo e comprei uma garrafa de vinho para acompanhar o esperado jantar.

Ficava cada vez mais enturmado e amigo do motorista Stephen da Namíbia e o guia Allen, de 
Botsuana. Eles curtiram a minha pessoa e eu me sentia como no Brasil. Ao som de Bob Marley que vinha do caminhão, ficamos conversando. Ali perto eu via minha barraca e a linda lua cheia numa paisagem simples e majestosa.

Depois de fazermos brincadeiras e darmos gostosas gargalhadas fomos dormir, pois as atividades ocorreriam novamente bem cedo!


Dia 3 – Kruger Park – quarta-feira, 6 de novembro de 2013

O café da manhã estava marcado para as 5:30. Recebemos a companhia ilustre de uma família de micos em busca de comida que nos rendeu diversão logo cedo. Arrumamos as coisas e partimos para mais um dia em busca dos animais. Principalmente dos big five (leão, leopardo, elefante, búfalo e rinoceronte).

Logo no início do trajeto avistamos uma grande manada de elefantes. Nosso guia explicou que os grandes animais evitavam o calor do dia e que teríamos maiores chances de vê-los de manhã cedo. Ele comentou também que a época da seca é a melhor para avistar animais já que há menos vegetação e os animais tendem a se concentrar mais nas áreas próximas de onde há água.

Vimos zebras, girafas, gnus, hienas e diversos outros animais. Quando um animal era visto os motoristas das caminhotes se comunicavam por rádio e logo havia uma concentração de pessoas para tirar fotos.


Nosso guia se mostrou muito excitado quando disse que viu um leopardo. Porém, perdeu-o de vista. 
Dirigiu para um local mais adiante para tentar encontrá-lo. Logo estávamos acompanhados de outros veículos. Ninguém conseguia encontrar o animal que tem costume de andar só.

A expectativa era grande. Parecia um jogo no qual o primeiro que visse o leopardo seria o grande campeão. De repente o nosso guia fez uma manobra brusca de ré, passou por todos os outros veículos e assim pudemos ver o belo felino atravessando a estrada. Quando passamos por trás dele o animal deu uma breve virada. Disparei algumas vezes a câmera e consegui uma única foto com o leopardo mostrando seus belos olhos verdes apenas para os sortudos.


O guia disse que dentre os big five aquele era o mais difícil de avistar. Ficamos muito satisfeitos. 

Faltava apenas o rei da floresta.

Voltamos à estrada e numa descida fomos surpreendidos com a travessia da estrada de dois rinocerontes. Tirei uma das mais belas fotos da viagem. Uma bela composição com o reflexo do sol na estrada, a silhueta de um animal adulto seguindo seu filhote, sendo observados por jipes enviesados para uma melhor visualização dos animais.

Prosseguimos o passeio chegando a um monte que era um mirante de onde se tinha uma visão de 360 graus. Enquanto dávamos uma descansada chegou um grupo de brasileiros.

Na hora do almoço paramos em um resort para nos alimentar e continuar o safári pela tarde. 

Consegui avistar um crocodilo no rio que cortava o relevo.

Era a hora da “caça” ao Leão. O guia nos explicou que como estava muito quente dificilmente os encontraríamos. Depois de percorrermos muitos quilômetros, contamos mais uma vez com a experiência do guia que sabia onde poderíamos encontrar uma alcatéia. E assim, vimos com muita distância alguns leões deitados com a maior preguiça.

Estava completo o safári!

A noite caiu e mais uma vez ficamos conversando à luz do luar curtindo aqueles momentos em contato com a natureza em plena África.

O menu da noite: um braai, que é o churrasco africano com linguiças e carnes. E mesmo não sendo a bebida mais indicada para acompanhar a refeição optei por comprar um vinho branco.



Senti-me mais em casa do que nunca! Era evidente que a cultura africana é parecida com a brasileira.

Os guias queriam definir qual seria o horário que partiríamos no dia seguinte. Para isso nos perguntou sobre nossos compromissos. Eu era o que teria o compromisso mais cedo. Meu vôo partiria de Joanesburgo para Port Elizabeth às 19:55.

Todos gostariam de acordar mais tarde. Por isso tive que dizer em tom humorado que não era minha culpa.


Dia 4 – Kruger Park / Joanesburgo / Port Elizabeth – quinta-feira, 7 de novembro de 2013.


Levantamos o acampamento e saímos por volta das 6:15 para continuar a viagem pela região nordeste do país. O dia estava nublado e eu pedi para os guias colocarem meu ipod para tocar Freshly Ground, uma banda sul africana, apresentada para mim pelo meu amigo Felipe, que já havia morado na África do Sul.

Eu estava preocupado, pois a viagem era longa e eu teria que estar no aeroporto por volta das 18:30.

Conforme o programa depois de passarmos por diversos vilarejos onde se via a vida cotidiana da população, nossa primeira parada foi no God´s Window (a janela de Deus). Como o nome sugere, entre duas paredes de formações rochosas havia mirantes que propiciavam belas paisagens da vastidão do território africano como se fosse olhar por uma janela. Esta é uma região montanhosa, de alto índice pluviométrico o que propicia o desenvolvimento de florestas e a presença de diversas cachoeiras.

Fazia um pouco de frio. Então, reembarcamos no caminhão para prosseguir a viagem até o início da região do cânion Blyde River.

Chegamos ao centro de visitantes do The Bourke´s Luck Potholes (as cavidades de Bourkes Luck, o explorador de ouro), uma formação geográfica muito peculiar formada por buracos arredondados, que por sua vez foram causados pela força da água do rio que gerou a erosão das camadas de quartzito presentes nas rochas.

Depois da visita prosseguimos rumo ao The Three Rondavels, formações rochosas ao longo da Panorama Route, que lembram cabanas em forma de colméia, formato utilizado pelos povos indígenas para construir suas casas. O mirante estava a 1380m acima do nível do mar.

Chegou a hora do almoço. Descemos até a cidade mais próxima e montamos a estrutura para almoçarmos. De repente do interior de uma empresa saíram uns funcionários com uma bola de futebol e começaram a brincar entre eles. Como eu não posso ver uma bola, logo me juntei ao grupo e dei uma suadinha correndo enquanto os outros almoçavam. Senti que meu preparo físico estava péssimo. Dei uma parada para comer quando todos já tinham acabado. Foi bem divertido e mais uma vez senti como o futebol é um esporte que facilita o relacionamento com as pessoas, mesmo que desconhecidas.

Ainda tínhamos muitos quilômetros pela frente.

Ao chegarmos ao aeroporto entreguei uma gorjeta para os guias, me despedi dos companheiros do safári e desci junto com o casal de australianos. Eles perguntaram o que eu achei do grupo. 

Comentaram que acharam que havia muitas “panelinhas” entre o grupo de alemães e de americanos.

Fiz o check-in e caminhei um pouco para conhecer o aeroporto de Joanesburgo. Logo estaria em Port Elizabeth onde passaria por momentos difíceis.

Cheguei ao aeroporto de Por Elizabeth (P.E) próximo às 22hs. Assim que desembarquei fui buscar informações no balcão do aeroporto. Sem dar explicações a atendente pediu para eu acompanha-la me levando para um ponto de táxi. De repente os taxistas começaram a discutir entre si disputando a minha corrida. Como eu não tinha muitas informações sobre onde seria a região mais adequada para me hospedar resolvi voltar ao aeroporto para pegar informações mais seguras. Não ficaria “na mão” dos taxistas.

Para mim ficou marcado este despreparo da atendente. Por sorte, percebi que estavam fechando a única agência de viagens do aeroporto e me apresentei à funcionária quando ela já fechava a porta.

Com um ar de alívio e ao mesmo tempo de preocupação pedi ajuda a ela que fez questão de reabrir a agência e, conforme meu desejo, procurou uma lista de albergues em uma região turística. Os taxistas estavam me indicando a área central, mais perigosa.

Enquanto conversávamos um taxista que tinha me acompanhado começou a dar palpite. Pedi para ele não se manifestar se tivesse intenção de me levar. Tinha que manifestar firmeza nas decisões.

Depois de ligar para um estabelecimento que não tinha disponibilidade conseguimos vaga no Kings Beach Backpackers (http://kingsbeachbackpackers.wozaonline.co.za/).

Agradeci muito ao auxílio da agente, que na verdade era de uma instituição pública e pedi para que o taxista me levasse cobrando conforme o taxímetro. O táxi era antigo, em mal estado de conservação. 

O taxista era um sujeito mau vestido e tinha cara de malandro. Mesmo assim, resolvi confiar nele.

Trocamos uma ideia durante o caminho e fiquei com seu número de celular para eventual necessidade. Mas a corrida não foi barata.

Fui recebido pelo gerente do hostel, um homem loiro e alto. Entramos na casa e ele apresentou meu quarto que tinha dois beliches, mas que estava vazio. Era um ambiente aconchegante com carpetes e muita madeira. No banheiro o chuveiro era em cima de uma banheira que tinha cortina plástica. 

Tomei um belo e merecido banho quente depois de uma longa viagem.

Vesti-me com uma camisa longa, troquei uma breve ideia com David e mesmo cansado saí para explorar a área. Estava há duas quadras da praia e as ruas eram escuras e desertas. Por isso, saí apenas com o essencial. Dinheiro e documento. Deixei até meu relógio.

Percebi que havia algumas casas de fast food próximas a um posto de gasolina e na praia vi um belo estabelecimento chamado Cabañas. Resolvi entrar para conferir.

A decoração era linda. Um restaurante/bar temático sobre Cuba. Fiquei à vontade e resolvi pedir uma draft beer para enganar a fome enquanto escutava a música house misturada com ritmos africanos. 

Os frequentadores eram quase todos negros, super estilosos e dançavam com muita personalidade. 

Fiquei algum tempo encostado na barra do bar fitando aquele ambiente totalmente novo.

Ao conversar com o garçon ele disse que o dia seguinte, sexta-feira, seria ainda melhor. Mas disse que eu deveria ir de sapatos pois o “sapatênis” que eu estava vestindo não era permitido.

Resolvi conversar com o gerente e pedir para que ele permitisse que eu entrasse já que não tinha trazido sapatos do Brasil. Ele disse que quando chegasse deveria procurá-lo que assim me liberaria.

Voltei para o hostel e entrei pela porta dos fundos, como haviam me explicado.


Dia 5 – Port Elizabeth – sexta-feira, 8 de novembro de 2013.



Estava acostumado a acordar cedo. Às 6:30 já estava tomando um café incluído na hospedagem. Pães tostados, com pasta de amendoim e café. Era o suficiente para começar o dia. Resolvi dar uma caminhada até o centro e não ir ao tour à township (favelas) sugerido por David que levaria alguns hóspedes.

Dei uma bela caminhada até o centro onde pude ver um pouco da arquitetura local com forte influência inglesa. A cidade foi fundada pelos ingleses em 1820 à margem da Baía de Algoa que disputavam o território com as tribos Xhosas. O governador da Colônia do Cabo colocou o nome da cidade em homenagem a sua esposa, Elizabeth. A cidade tem um dos maiores portos do país.

Pedi informações sobre como eu poderia chegar até um dos estádios utilizados na Copa do Mundo, o Nelson Mandela Stadium. Peguei uma “lotação” que era feita em van e me juntei aos moradores locais em um dia normal de trabalho na cidade. Surpreendi-me com a qualidade do sistema de som presente na van. Depois de alguns quilômetros indicaram que eu deveria descer e caminhar umas três quadras até o estádio.

Como os portões estavam fechados descobri que a entrada para visitantes era do lado oposto. Fui até lá e me informaram que a pessoa que poderia me levar para conhecer o estádio estava participando de uma reunião e assim só poderia me receber à tarde. Mas de qualquer maneira foi bom ir até lá e ver a bela arquitetura com uma cobertura ondulada branca.

Resolvi voltar ao centro, e com fome, parei para comer num restaurante da rede KFC. Notava que a concentração de negros no centro era maior. Havia muitos indigentes e pessoas que evidentemente eram pobres. 



Voltei ao hostel caminhando quando parei para ver as crianças em frente a um colégio vestidas com calça e gravata brincando. Fazia um sol gostoso e fiquei vendo a dinâmica das brincadeiras. Uns jogavam futebol, outros escalavam uma parede, alguns brincavam de luta e meninas de bricadeiras de mão com música do tipo “Adoletá”.

Prossegui minha caminhada, sempre precavido com a minha câmera. Na praia vi alguns surfistas e havia um complexo aquático bem bonito em frente ao Cubaña. Percebi que em uma loja havia bicicletas para aluguel e achei uma boa ideia. Voltei para o hostel para deixar minha câmera profissional e descansar um pouco esperando o sol baixar um pouco.

Voltei à loja por volta das 16hs e aluguei a bicicleta que deveria ser devolvida até às 17:30. Resolvi ir a um dos pontos turísticos mais famosos do local: o farol do Cabo Elizabeth. Segundo a locadora da bike era só seguir a costa que eu veria as indicações de como chegar.

Comecei uma agradável pedalada pela orla da praia e à medida que me distanciava eram mais escassas as construções e presença de pessoas. Percebia que em plena sexta-feira pessoas paravam seus carros e preparavam seus churrascos nos jardins à beira da praia. E à medida que ia contornando a costa o vento passou a soprar contra mim. A bicicleta era simples e começou a ficar mais difícil pedalar.

Continuei por alguns quilômetros em uma estrada de duplo sentido. O silêncio só era quebrado pelo motor dos carros que se aproximavam e se afastavam. Eu tinha que tomar cuidado, pois não havia acostamento. Já não via pessoas. Era vegetação para os dois lados e não eu conseguia ver a praia. 
Avistei alguns trabalhadores caminhando em minha direção e perguntei onde era o farol. Eles disseram que seria mais adiante.

Pedalei mais e já estava preocupado com o horário. Encontrei mais uma pessoa no caminh que disse que eu já havia passado da entrada fazia tempo. Então voltei e entrei  no lugar correto. Teria mais uma estradinha de uns 2 quilômetros. Forçando bastante a pedalada cheguei ao local. Era um braço de terra que levava a um belo lugar onde o vento era forte movendo grandes quantidades de areia. 

Podia ver alguns lobos marinhos e o farol era bem bonito. Como estava com o tempo esgotando tive que voltar logo. Cheguei 5 minutos atrasado e temia levar uma bronca. Mas a loja ainda estava em processo de fechamento. Apesar de não ter sido um passeio calmo e agradável pelo menos tive a sensação de missão cumprida.    

Parei para tomar um chá gelado e voltar para o Kings Beach Backpacker onde cheguei  em um estado ideal para dar uma cochilada.

Ao acordar comi algo e logo fui para o Cubaña. Quando me aproximei percebi que um rapaz discutia com os seguranças porque tinha sido barrado por portar calçados inapropriados. Assim, percebi que o mesmo ocorreria comigo caso tentasse entrar. Fiquei distante observando a situação quando de repente ele veio em minha direção. Olhou para os meus pés e perguntou se o mesmo tinha ocorrido comigo. E u disse que ainda não tinha tentado entrar.

Então ele disse que deveríamos subornar os seguranças. Eu disse que não faria aquilo e para não tumultuar resolvi tomar uma cerveja em um bar logo em frente, o Gondwana. Lá puxei conversa com um rapaz que era sul-africano, porém turista. Eu disse que o Cubaña estaria bem legal e ele gostou da recomendação.

Voltei para o lounge e avistei o chefe da segurança. Aquele que eu tinha falado na noite anterior. Ele estava rodeado daqueles que pareciam ser os donos do estabelecimento. Mais uma vez esperei com paciência e quando ele passou por mim o cumprimentei discretamente. Um dos seguranças já tinha encrencado com meu tênis.

Então ele apontou para mim dizendo a um dos funcionários para me liberar. Ele chamou outra pessoa achando que não era eu o escolhido. Talvez por eu ser branco. Ele corrigiu o engano e me colocou para dentro. Enfim entrei naquele ambiente de pessoal cheio de estilo e boa música.

Encontrei com o rapaz do Gondwana que me apresentou seus amigos. Ficamos conversando e dançando a noite inteira alongando a balada para a casa de uma das meninas. Parte das pessoas falavam afrikans e eram muito loucas!

A galera gostou de mim. Queriam que eu fosse para uma festa no dia seguinte.


Dia 6 – Port Elizabeth / Jeffrey´s Bay – sábado, 9 de novembro de 2013.

Acordei cedo pensando que fui dormir tarde.

Tomei café da manhã e percebi que uma pessoa entrou no quintal do hostel. Ele me viu e pediu comida. Disse que chamaria o gerente para ver se ele tinha. David saiu em direção a porta e começou a gritar com o rapaz negro dizendo para ele sair dali antes que o agredisse. Fiquei impressionado!

Quando o ânimo acalmou resolvi conversar com o David sobre o país, e o tempo em que ocorreu o apartheid. Ele me relatou coisas interessantes sobre aqueles tempos e como no presente ainda sentia-se o clima de segregação racial vinda das duas partes. Explicou um pouco da história da região e sobre o líder Nelson Mandela. Era uma conversa muito interessante.

Então dois alemães que estavam hospedados apareceram pedindo sugestões de passeios. Após nos conhecermos comentei que eu gostaria de conhecer o estádio de cricket da cidade assim como a “pirâmide” localizada no centro. Eles estavam de carro e aprovaram a ideia.

Chegamos ao centro e caminhamos até o Dolkin Reserve compostos por um memorial em forma de pirâmide e um farol. O fundador da cidade, Sir Rufane Donkin solicitou a construção do memorial em homenagem a sua esposa que se chamava Elizabeth, conforme já explicado.

Tomamos um café e resolvemos ir até o forte Frederick na parte alta da cidade. Enquanto um dos alemães, o Thomas, conseguia se comunicar em inglês, o outro, Sven mal conseguia formar uma frase. Porém, isso não impedia nossa comunicação. Estavamos contentes e, passeamos nos divertimos bastante.

Perguntei se eles gostariam de visitar um estádio de cricket e eles toparam. Então pegamos o carro para irmos ao St. George´s Cricket Ground onde tiramos algumas fotos depois de pararmos para comermos uma pizza.

Apesar de ficarmos pouco tempo juntos nos divertimos bastante. Voltamos para o hostel, pois eu tinha planejado viajar para Jeffrey´s Bay.

Arrumei a minha bagagem e no início da tarde um funcionário do hostel me levou a um terminal de transporte onde inúmeras vans saiam para diversas localidades dentro da cidade e para cidades vizinhas.

Ele se informou sobre qual seria a que iria para Jeffrey´s Bay e como recompensa lhe dei uma boa gorjeta.

Coloquei minha bagagem dentro do veículo e fiquei aguardando a saída que pelo que parecia só ocorreria quando estivesse lotado. Esperei por cerca de uma hora e quando os últimos passageiros chegaram nos esprememos junto com as malas.

Mais uma vez me impressionei com a qualidade do sistema de som. Porém uma coisa que me intrigou foi que apesar da van estar com os vidros fechados e sem ar condicionado as pessoas estavam vestidas com agasalhos e não pareciam sentir calor. Resolvi não reclamar, pois não queria atrapalhar os costumes locais.

Perguntei a senhora ao meu lado para saber se conhecia o endereço que havia lhe mostrado. Eu tinha um guia de albergues e elegi um chamado Island Vibe. A moça falou que sabia onde era e confirmou com o motorista que pisava fundo no acelerador. Eu queria mesmo chegar rápido para definir meu local de hospedagem antes do escurecer.

Assim, o motorista me apontou a esquina na qual eu deveria descer e por qual caminho deveria seguir. Depois de andar umas três quadras, cheguei a porta do Island Vibe e fui recebido por uma simpática recepcionista que depois de fazer um tour para me apresentar o estabelecimento, me colocou em um quarto de frente para a praia. O hostel ficava em um terreno elevado e tinha uma linda vista.

Deixei minhas bagagens, guardei as coisas de valor trancadas com cadeado no armário e saí para ver se tinha algo para comer. O jantar seria servido às 19:30 e para aguardar resolvi experimentar uma cerveja Carling Black Label. Observava o pessoal e via uma galera bonita, muitos surfistas jovens.

Conheci Ntsiko, o gerente do hostel, um rastafári para o qual eu pedi umas dicas. Esperei o jantar preparado por uma cozinheira de mão cheia. O prato era de carne, arroz e três feijões. Um prato do tamanho ideal!

Fiquei jogando uma sinuca e conheci o casal de brasileiros Vitor e Laura, que moravam em Jeffreys havia alguns meses. Vitor trabalhava como barman no próprio hostel e tinha recebido uma visita dos pais que foram embora naquele mesmo dia deixando uma garrafa de cachaça. Ele estava animado para fazer caipirinha para os gringos.

Ficamos trocando uma ideia e combinamos que iríamos para a praia cedo no dia seguinte. Eu iria tirar umas fotos e ele iria surfar.

Era um sábado e o hostel estava cheio. Continuei jogando sinuca, bebendo e conhecendo o pessoal como o local Chancy, que fez várias parcerias na sinuca comigo.


Dia 7 – Jeffrey´s Bay – domingo, 10 de novembro de 2013.


Apesar de ter bebido e aproveitado bem a noite, no horário combinado estava em frente ao Island Vibe esperando o Vitor. Passou alguns minutos e percebi que ele não apareceria. Como ele tinha comentado que morava bem perto do hostel saí para ver se descobria onde era sua casa.

Café da manhã especial
Encontrei um hippie que estava na noite anterior no Island Vibe e perguntei se ele conhecia o brasileiro. Por sorte ele sabia onde o Vitor morava. Chamei-o e o acordei. Ele me chamou para entrar enquanto o esperava se trocar. Pegamos o carro que ele tinha que devolver à locadora e fomos para o melhor point de ondas o Supertubes. Após passarmos pela locadora tomamos um belo café da manhã com direito a ovo frito e tomates.

Fomos para a praia e enquanto meu colega surfava saí para dar uma caminhada e tirar umas fotos. Na semana anterior um surfista tinha sido atacado por um tubarão numa outra área, mas próximo dali.

Vitor e Laura
Laura chegou para tomar um pouco de sol e ficamos até a hora do almoço quando retornamos. Eles me mostraram as lojas de fábrica nas quais poderia comprar roupas a um bom preço. Voltei para o hostel para tomar um banho e pesquisar sobre companhias de ônibus que poderiam me levar a Knysna, meu próximo destino. Estava complicado encontrar horários compatíveis com meus planos.


Voltei para a avenida principal para almoçar num restaurante grego chamado The Greak, onde a irmã de Chancy, com quem fiquei conversando na noite anterior, trabalhava. Comi um belo prato de peixe local a um preço razoável. As ruas estavam desertas e um ventinho frio me convidava para voltar ao hostel. Estava sempre preocupado com minha segurança e, por isso, evitava andar com minha carteira e pertences de valor.


Anoiteceu e voltei ao bar do hostel onde tudo acontecia. Fiquei sabendo que tinha uma turma planejando ir para Knysna no dia seguinte de carro. Conheci Brad, o motorista do carro que não deu certeza porém pediu para que eu o procurasse no dia seguinte pela hora do almoço.

O hostel estava mais vazio. Algumas pessoas já tinham ido embora. Voltei a jogar sinuca e depois de um tempo Chancy, querendo festa, me perguntou:
- Você quer ir comigo numa festa?

Receoso eu perguntei onde era. Ele disse que na vila perto dali. Olhei para ele e fiquei calculando os riscos. Perguntei se não era perigoso e ele, dando um sorriso que emitia uma tranquilidade,


disse que como eu estava com ele nada me aconteceria.

Como eu estava a fim de festa resolvi aceitar o convite. Mais uma vez me preparei para levar somente o essencial, ou seja, dinheiro e documento. Saímos do hotel por volta das 23hs a pé, na calada da noite e à medida que caminhávamos escutávamos um som de música que vinha do alto de uma região mais elevada. À medida que chegávamos mais próximos obviamente o som ficava mais alto e a minha curiosidade aumentava.

Era uma quebrada parecida a de vários lugares do Brasil. Com uma diferença muito grande! Estava na África do Sul, país onde ocorreu o famoso Apartheid e eu não via nenhum branco.
Chancy me chamou para entrar na balada. Era um barracão lotado e a medida que entrávamos notei que as pessoas me fitavam sem nenhuma cerimônia. Fiquei um pouco incomodado com a situação, mas tentava ter pensamentos positivos. Chancy me apresentou seus amigos que me cumprimentaram calorosamente e olhavam para Chancy dando a entender que ele estava fazendo algo legal. Eles se interessavam por mim e queriam conversar.

O som que tocava era frenético e totalmente dançante. As pessoas dançavam e bebiam em garrafas de cerveja de um litro diretamente pelo gargalo. O lugar estava lotado e além de muitos ficarem me olhando apareciam uns que esbarravam em mim e parecia ser propositalmente. Eu não estava à vontade.

Tinha chamado o Chancy para dizer que talvez devêssemos ir embora quando uma moça me cutucou e começou a querer dançar comigo. Timidamente comecei a balançar o corpo o que melhorou meu semblante. Ela me deu um sorriso e me puxou pelo braço para um outro espaço da casa onde me apresentou seus amigos. Estes me cumprimentaram novamente com grande satisfação e assim fiquei realmente me sentindo melhor.

Voltei para perto de Chancy e os demais já não mais me olhavam. Parecia que eu tinha sido aceito pela turma o que me fez refletir que estava passando pela experiência mais autêntica até então vivida na África do Sul.

Um senhor alto, mais velho que a média de idade das pessoas, se aproximou de mim e me pediu para lhe comprar uma cerveja. Não hesitei em comprar duas cervejas de litro e presenteá-lo. Brindamos e como pedia a tradição tomei a cerveja local diretamente do gargalo.

Ficamos até o final da festa. No final uma moça meio bêbada se aproximou de mim e perguntou.
- Hey, do you know that you are in the location?

Ela deu a entender que por eu ser branco eu não deveria estar ali na “quebrada”, no “gueto”. Não precisei nem me defender. Os amigos de Chancy disseram que ela estava falando besteira e que se era contra o racismo que deixasse de ser racista.

Um deles pegou o carro, pois ainda queria festa. Porém, era tarde e já não havia opções. Eles me levaram de volta ao hostel de maneira que pudesse voltar em segurança. Aquela foi uma experiência incrível!



Dia 7 – Jeffrey´s Bay/Knysna – segunda-feira, 11 de novembro de 2013.


Estava na pilha de aproveitar ao máximo. Por isso acordei cedo, às 6:30 para fazer minhas compras e definir como iria para o próximo destino. Esperei a loja abrir e fiz uma compra de vários artigos, incluindo bermudas, camisetas e tênis.

Encontrei o Ntsiko na rua e fomos à casa do Vítor para eu me despedir. Encontramos também o Chancy e agradeci a todos por aqueles belos momentos. Voltei ao hostel e encontrei o Brad que queria ir mesmo para Knysna, porém seu amigo queria ficar com uma garota que tinha conhecido na noite anterior. Ele topou em me levar. Logicamente dividiria os gastos da viagem.

Brad morava em Zanzibar, um conjunto de ilhas perto da Tanzânia. Ele tinha uma caminhonete branca e também era um rastafári, loiro. As estradas da África do Sul se mostravam realmente em perfeitas condições. E a paisagem era maravilhosa. Montanhas ao fundo mostravam tonalidades distintas de verde de acordo com a distância que estávamos.



De repente vimos uma placa que indicava que em alguns quilômetros teria um lugar para saltos de bungy jump. Resolvemos parar para conferir e descobrimos que aquele era o mais alto do mundo. Era montado numa ponte da própria estrada na qual estávamos transitando. O salto da Bloukrans Bridge é de 216ms de altura e tem uma estrutura de primeira em um local exuberante. Ficamos por ali uma meia hora observando as pessoas saltarem e a imensidão daquele vale.

Eu estava com receio de encarar a aventura e Brad estava sem dinheiro para gastar. Por isso, resolvemos prosseguir nossa viagem.

Eu tirava inúmeras fotos e até Brad, nascido na África do Sul, comentou sobre a beleza cênica das Garden Route. Ao nos aproximarmos de Knysna fomos surpreendidos com um visual alucinante. Era uma vasta planície alagada com alguns pedaços de terra e construções em sua maioria brancas. Sem dúvidas me deparava com uma paisagem que nunca havia visto nada similar.  Então, após aproximadamente 200 quilômetros chegamos em Knysna.
Por indicação do pessoal do Island Vibe de Jeffreys ficaríamos em um hostel da rede com o mesmo nome. Assim, logo achamos o novo local para hospedagem fazendo o check in em um dormitório compartilhado. E assim que recebíamos a chave uma jovem com sotaque francês também deu entrada no albergue.

Fomos ao nosso quarto para deixar nossas coisas e logo sair. Brad precisava retirar dinheiro em um ATM (caixa eletrônico) e logo sairíamos para conhecer a cidade. A moça que havia chegado no hostel se hospedou no nosso quarto e assim descobrimos que era um dormitório unissex.

Trocamos uma breve ideia e logo a convidamos para ir conosco explorar a região. Conhecemos também Milo, que tinha cara de índio sul americano. Na verdade era um músico boliviano que também tinha chegado à Knysna há pouco e o chamamos para a caminhada.

Tudo estava perfeito. Chegar a um novo local e conhecer pessoas tão rapidamente era realmente um momento de grande satisfação. Caminhamos buscando indicações de um mapa que recebemos na recepção e logo estávamos na marina local. Estávamos com fome e concordamos que o momento pedia um restaurante de boa qualidade. Elegemos o “O Pescador”. Fiquei logo curioso para conhecer um  pouco mais sobre o lugar que tinha um nome em português.

Cada um pediu um prato a la carte. Alguns cerveja e eu decidi pedir um vinho. Pudemos nos conhecer melhor. A francesa Manon vivia na Bélgica e estava viajando há cerca de um mês e o Milo buscava ficar um tempo na cidade para trabalhar. Ele já tinha viajado para o Brasil e falava comigo em português. Disse que ficou no Rio de Janeiro e mostrava que conhecia toda a malandragem.

Conhecemos a dona do restaurante e comentou sobre a origem do nome do restaurante que foi dado pelo seu marido português. Saímos realmente satisfeitos e Brad combinou de se encontrar com uns amigos que moravam em Zamzibar e também estavam viajando pelo país.

Fomos à um pub e pedimos cada um uma pint (que nada é mais do que um copo de 473ml) da cerveja local. Percebi que Milo, que tinha seus quase 50 anos, se interessou pela jovem Manu. Por isso resolvi ficar conversando com os outros.

Depois de umas duas pints o bartender informou que o bar teria que fechar. Brad saiu com seus amigos e eu, Milo e Manon fomos para um outro bar. Mas desta vez um bar menos turístico e mais roots. Resolvemos jogar sinuca entre nós e logo fomos convidados para jogar na mesa principal. E aí o espírito Rui Chapéu, grande jogador brasileiro, tomou conta do taco que carregava.

Tivemos uma noite muito agradável. O dia seguinte seria promissor!


Dia 8 – Knysna –  terça-feira, 12 de novembro de 2013.

Acordamos relativamente cedo para tomar o café do próprio hostel e planejar o que faríamos durante o dia. Brad me informou que seguiria seu caminho para a Cidade do Cabo pois estava com pouco dinheiro e lá começaria a dar aulas de kite surf. Lamentei sua ausência mas realmente não tinha o que fazer.

Conhecemos uma moça alemã, chamada Tina que queria fazer alguma atividade. Assim, achamos que uma boa opção seria alugar bicicletas. Descemos com sentido ao centro e rapidamente encontramos uma ótima bicicletaria que alugava boas bicicletas.  Passamos uma garantia no cartão de crédito e logo começamos a pedalar.

Nos informamos sobre para onde poderíamos ir e decidimos explorar Knysna Heads. Assim, margeamos a imensa lagoa em uma bela ciclovia desfrutando de um espetacular visual e um sol ameno. Seguimos as placas e chegamos ao sopé do morro. Dali começamos uma subida bem acentuada até o topo da Western Head, ou seja, da formação geológica que foi batizada de cabeça ocidental. A oriental, logo em frente, não tinha acesso terrestre. Havia apenas passeios de catamarã onde as embarcações deixavam a lagoa para entrar numa espécie de garganta. Os penhascos tinham aproximadamente 200m de altura e foram inúmeras as histórias de naufrágios naquele traiçoeiro lugar onde parece que os heads “chefes” protegem o lugar.


Após alguns minutos de contemplação descemos deixando a força da gravidade impulsionar a velocidade. Quase tomei um baita tombo ao tentar frear antes de passar por uma lombada. Minha roda de trás empinou e quase tomei um capote.

Chegamos à Leisure Island onde paramos em um lindo bistrô para comermos algo. Era um lugar bem gostoso com vários habitantes locais de idade mais avançada. Pedimos sanduíches com sucos de laranja e degustamos a culinária local embaixo de belas árvores.

Como Tina tinha que voltar para ir embora nos depedimos trocando informações pessoais. Eu e Manon  continuamos a pedalada e demos uma paradinha para tomar um sol a tempo de chegar as 17hs para entregar as bikes.

Chegamos bem em cima do horário e ficamos na região da marina olhando as lojinhas de souvenirs. 

Voltamos para o hostel e cansado resolvi dar uma cochilada.

Acordei lá pelas 22hs e reencontrei Milo. Fiz um macarrão com queijo e baixei as fotos que havia feito até aquele momento.  


Dia 9 – Knysna/ Wilderness / Oudtshoorn –  quarta-feira, 13 de novembro de 2013.

Encontrei Manon e a perguntei sobre seu plano de viagem. Eu tinha me informado que havia uma cidade muito interessante na área mais interior chamada Oudtshoorn. Lá havia umas cavernas e inúmeras fazendas de avestruzes.

Ela disse que topava ir ao local e disse que estava de carro. Nossa, que sorte! Pensei...

Assim, arrumamos as malas e me despedi de Edward, o senhor que gerenciava o hostel durante o dia. 

Eu disse que poderia retornar ao local no futuro e assim poderia revê-lo. Ele disse que estava cansado e que no próximo ano se aposentaria.

Desejei-lhe boa sorte e parti ao lado da minha nova companheira de viagem. Manon tinha alugado um carrinho simples e corajosamente viajava sozinha pela África do Sul. À medida que a conhecia considerei que era um pouco inconsequente e que agia sem muito conhecimento sobre a violência contra as mulheres no país.

Seguimos pela principal rodovia do país, a N2 que liga que inicia um pouco abaixo de Durban a vai até a Cidade do Cabo. Ou seja, ela abrange duas das nove províncias sul africanas: Eastern Cape e Western Cape. Em alguns momentos a estrada está muito próxima ao oceano em outros ficava mais afastada.



À medida que viajava conhecia também um pouco mais sobre o país que tem aproximadamente 50 milhões de habitantes e é uma democracia parlamentarista com a eleição do seu primeiro presidente em 1994, Nelson Mandela.

O caminho entre Knysna e Oudtshoorn tinha aproximadamente 120 km. Deixaríamos a N2 em Wilderness, pois rumaríamos em direção ao interior. Já pelo horário do almoço decidimos conhecer a cidade de Wilderness. O nome do local já despertava a curiosidade: “lugar selvagem”. Antes de parar fomos a um belo mirante de onde se via um mar agitado, uma areia alaranjada que terminava em um aclive onde se iniciava uma vegetação rasteira. E logo dois quarteirões de belas casas. No meio da praia, havia um rio chamado Townsriver que fazia uma curva para acompanhar a costa por um momento e logo serpenteava rumo ao interior.

Voltamos ao carro para chegar ao centro da pequena cidade onde entramos em um posto de informações turísticas para obter informações sobre os atrativos da região.

Há poucos metros dali fomos a um pequeno restaurante de dois andares com uma decoração bem harmoniosa com a natureza. Era o Flava Café.  Fomos ao piso superior onde escutei um casal conversando em português e por algum momento hesitei em falar com eles. Porém, me apresentei e conversamos um pouco. O senhor era executivo de uma grande mineradora brasileira que tinha atividade também em países africanos.

Comi um belo ceviche e de sobremesa um petit gateau. Nos despedimos do casal e resolvemos ir ao “Mapa Africano”. Afinal, o que seria aquilo?

Queria dar uma dirigida e pedi a Manon que me entregou a chave do carro sem pestanejar. Seguimos as placas e nos perdemos um pouco, mas finalmente subimos até o local almejado. Fomos recebidos por um senhor que tomava conta dos carros e que começou a nos explicar sobre o local conduzindo-nos para um mirante. E então rapidamente percebemos que naquele ângulo nitidamente o recorte do rio na planície fazia aparecer um formato muito similar ao do continente africano.

Perto dali havia um outro mirante com vista alucinante. E na grama fiquei impressionado ao ver um gafanhoto gigante. Descemos para pegarmos um solzinho na praia e logo resolvemos tomar um lanchinho no Beejuice Café. Manon contou um pouco da sua vida de enfermeira na Bélgica. Ela cuidava de velhinhos e era uma moça muito paciente.

Voltamos ao Spark Lite, carro da Chevrolet, para passar pela cidade de George e começar a subida para a cidade de Oudtshoorn. Mais uma parada em um mirante para conferir a bela geografia. 

Começou a fazer frio.

Após cerca de 60km chegamos à cidade e logo fomos buscar um hostel. Rapidamente achamos o Paradise. Colocamos o carro na garagem e demos check in. Informamo-nos sobre os passeios mais recomendados no local e depois de nos acomodarmos resolvemos provar a especialidade da maioria dos restaurantes locais: o avestruz

Saímos a pé e fomos a um dos mais próximos restaurantes, o Flaming Ostrich. A cidade vazia parecia fantasma. Esperamos com fome a chegada de belos bifes de avestruz cada um com suas guarnições. 

Para quem nunca experimentou vale a pena conferir a carne macia da ave.

Chegando ao hostel fiquei jogando sinuca com Vikus, o barmen e o Juan, ambos sul africanos.


Dia 10 – Oudtshoorn –  quinta-feira, 14 de novembro de 2013.

Tínhamos definido que iríamos visitar alguma fazenda de criação de avestruzes e visitaríamos a Cango Cave, que fica a 29km de Oudtshoorn. Passamos por algumas fazendas com criações de avestruzes e mais adiante por uma serra repleta de formações rochosa pontiagudas.

Chegamos ao destino e fomos comprar os ingressos. Havia dois tipos de visitas: a “padrão” e a  “aventura”. Optamos pelo segundo.

Fiquei impressionado com a estrutura local que era muito bem planejada e sinalizada, com condução de grupos em vários idiomas e saídas com horários definidos.

Um guia bem simpático e engraçado se apresentou e começou a explicar sobre as peculiaridades daquelas formações de calcário, formadas no Período Pré-Cambriano. Iniciamos a entrada e logo vimos um belo salão com formações de estalactites (que crescem de cima para baixo) e estalagmites (de baixo para cima). À medida que nosso guia explicava e apontava para um determinado ponto, as luzes eram acessas iluminando o local específico.

Em um momento o guia nos pediu para ficarmos em silêncio e todas as luzes foram apagadas. 

Sentíamos como era estar totalmente “isolados do mundo”.

Continuamos a caminhar pelos túneis com subidas e descidas, às vezes por escada. Então chegou o momento mais aventureiro que era passar por pequenas fendas na rocha. Nosso guia perguntou em tom humorístico se alguém queria desistir e se alguém tinha labirintite ou doença do pânico. 

Começamos lentamente, um a um a passar pelas estreitas passagens que ficavam cada vez mais difíceis.

No final ficamos satisfeitos em superar o desafio e conhecer o local. Cumprimentei o guia dizendo que sua atuação era muito boa e que de fato fazia com que o passeio se tornasse ainda mais interessante. Fiquei refletindo como eu poderia melhorar minhas atuações em trabalhos de guia de turismo no Brasil.

Comprei na lojinha da Cango Caves um CD comemorativo da banda sul africana Freshlyground e logo fomos em direção ao próximo destino, uma fazenda de criação de avestruzes.

Chegamos a Safari Ostrich Show Farm e o tour guiado sairia em cerca de uma hora. Era o tempo ideal para almoçar e dar uma descansada. Depois de comer dei uma deitada na grama. Estava com uma dor nas costas que incomodava há alguns dias. Fiz uma cara de dor quando um dos guias do parque perguntou se estava tudo bem comigo.

Disse a ele que estava com aquele problema e ele se aproximou perguntando onde estava doendo. 

Ele disse que já exerceu a profissão de massagista e com apenas uma mão, comigo em pé começou a massagear o local. Foi incrível! Ele sabia o que estava fazendo o meu tour começou e eu acenei para a Manon para seguir o grupo pois sentia que o meu problema estava sendo solucionado.

Agradeci muito a boa vontade do guia e sua atenção para com um desconhecido. Juntei-me ao grupo que recebia as primeiras informações sobre o principal atrativo da fazenda: os avestruzes.

Logo embarcamos em uma pick up aberta para entrar na área de criação. Vimos os ovos do animal e a grande resistência do mesmo. Podíamos pisar que eles não se quebravam. Alimentamos alguns deles dando milho na mão e quem quisesse podia dar uma voltinha no lombo do animal. Eu não pude pois tinha peso superior ao permitido.

No final os monitores fizeram uma divertida corridinha montados em avestruzes. Aquela era a última visita do dia.

Na volta demos uma parada em um estádio onde estavam praticando criquet. Depois comprei uma sopa de saquinho no supermercado para preparar no hostel, que comi acompanhada de pão e queijo.

Nesta noite fiquei jogando sinuca e conversando com o Vikus sobre vários assuntos até altas horas. 

Ele preparou vários drinks que havia inventado e que fazem sucesso no seu bar. Dentre as várias histórias contou um pouco sobre sua infância e a opção que fez em estudar em escola pública, mesmo que sua família tivesse condições de lhe pagar uma escola particular.

E na escola comentou que ficava impressionado com a atitude daqueles que mesmo tendo estudo gratuito não queriam estudar. Dizia que muitos eram preguiçosos e não vislumbravam uma vida melhor.

Neste dia eu decidi estender minha viagem na áfrica do Sul pois ainda tinha muito o que fazer por lá e se mantivesse o plano original não poderia conhecer alguns lugares e teria que me apressar muito.
 

Dia 11 – Oudtshoorn / Mossel Bay / Cape Agulhas  –  sexta-feira, 15 de novembro de 2013.

A companhia de Manon era muito legal! E para ela era conveniente continuar viajando com o novo amigo. Assim, ela concordou em conhecer o Cabo das Agulhas, distante quase 400 km.

Saímos pela manhã com o dia totalmente nublado. Descemos a serra com destino ao litoral e resolvemos parar em Mossel Bay para conhecer o local.

Paramos em um posto de gasolina para abastecer. Comecei a conversar com os frentistas e comentei que era brasileiro começamos a falar sobre futebol e eles se empolgaram ao falar sobre a seleção brasileira. Lembrei que tinha no carro uma camisa do Brasil, do mesmo modelo que fomos campeões da Copa das Confederações.



Peguei-a para darem uma olhada. Eles acharam muito bonita e queriam ficar com ela. Afinal, quem arrisca não petisca. Expliquei que aquela era a minha camisa da sorte e que a usaria na Copa do Mundo de 2014. Eles entenderam o valor da amarelinha!

Ventava muito enquanto dávamos uma volta de carro pela cidade. Resolvemos então dar uma parada para almoçarmos o que tinha de melhor no local, os frutos do mar.

Num restaurante em frente ao mar víamos o mar revolto batendo nas pedras do cais. Segui a recomendação do garçom e pedi um butterfish, peixe encontrado no local. A comida do Kings Fisher era muito boa e farta.

Assim, voltamos ao carro para continuar a longa viagem. Em Swellendam deixamos a N2 para virarmos a esquerda para pegar a R319 para rumarmos ao sul. A estrada era uma via muito reta e a paisagem bem colorida contrastava com o clima chuvoso.
Vimos várias ovelhas no caminho e paramos para tirar fotos. A área é parte do Parque Nacional Agulhas. 

Ventava muito e o carrinho alugado sentia a resistência do vento contrário.

Após algumas horas de viagem chegamos ao Cape Agulhas Backpacker. Foi ótimo chegar ao local que tem uma linda decoração e poder tomar um banho quente.

Já estava quase anoitecendo e não dava tempo para conhecermos o Cabo da Agulhas. Era momento de descansar e fazer uma sopa para vencer o frio.

O hostel era super aconchegante. Tinha uma decoração marcante com cores fortes e uma fogueira. A chuva e o vento aumentaram valorizando ainda mais nossa aventura do dia seguinte.


Dia 12 – Cape Agulhas / Stellenbosh – sábado, 16 de novembro de 2013.

Arrumei minha bagagem para que já estivesse pronta no momento que voltássemos do Cabo das Agulhas. A experiência de dormir naquele hostel com o vento e a chuva que fazia foi marcante.

O café da manhã do hostel era “a la carte”. Havia várias opções saudáveis. Pedi uma que vinha com iogurte, cereais e frutas.

Na sala de recepção havia um periquito azul solto que estava acostumado com o contato com pessoas. Ele estava solto e andava pelo braço das pessoas. Chegou a bicar levemente meu pé e eu caí na gargalhada.

Era a hora de encararmos o clima adverso para conhecermos o famoso cabo. Percorremos cerca de 8 quilômetros e ainda ventava bastante. A chuva forte deu uma pequena trégua. Parecia que nos dava a chance de conhecer o local.

Estacionamos o carro e caminhamos pela estrutura de madeira até avistarmos uma placa que explicava um pouco sobre a importância do local e seu ecossistema.

Ali estava a junção dos oceanos Índico e Atlântico. Do leste vinha uma corrente marítima quente chamada de Agulhas. E do oeste, uma corrente lenta e fria, chamada Benguela. Assim, com esse encontro na região mais extrema ao sul do continente africana via-se uma sucessão de peculiaridades. 

As condições climáticas mudam constantemente tornando o local difícil de navegar.

O nome do local foi dado pelos descobridores portugueses. Não podia deixa de tirar uma foto no monumento que simboliza a divisão das águas. Ainda que a chuva tivesse dado uma trégua o vento era forte e por isso não dava para ficar contemplando o local por muito tempo.

Voltamos ao hostel para pegarmos as bagagens, tomarmos a mesma sopa da noite passada e prosseguirmos com destino a Stellenbosh, distante cerca de 200 km.

Ainda chovia, porém durante o percurso o tempo melhorou e o sol apareceu. Chegamos ao belo centro da cidade e paramos para tomar um café e buscar maiores informações sobre possibilidades de hospedagem.

Descobrimos o Travellers Bachpackers e ficamos por lá. Fomos atendidos pela Margareth, uma simpática senhora. Aproveitei o computador do hostel para baixar minhas fotos e para passar fotos para a Manon. Seria a última cidade a visitarmos juntos, pois ela não queria ir para a Cidade do Cabo tão cedo, já que tinha ainda muitos dias até terminar sua viagem.

Na cozinha do hostel conheci Barry, um homem de meia idade que estava morando no hostel provisoriamente. Ele me contou um pouco sobre sua história. Viveu por muitos anos nos Estados Unidos onde de uma hora para a outra perdeu tudo o que tinha devido a um processo trabalhista que travou com uma empresa e acabou perdendo.

Segundo ele tudo se deveu ao seu posicionamento político, que nos Estados Unidos, é muito demarcado entre republicanos e democratas. Barry estava tentando arrumar seu antigo carro mas estava com um grande problema financeiro. Sua auto estima estava muito abalada e eu percebia uma revolta muito grande quando falava sobre o que tinha ocorrido.

Trocamos uma ideia por horas e quando deu a fome resolvi sair para comer. Acabei indo a rede KFC comer frango.

Como era sábado à noite a cidade estava agitada. No entanto apesar de ter voltade de curtir uma balada eu estava cansado. Por isso resolvi dormir já que o mais importante viria no dia seguinte: a visitação a algum vinhedo da região.


Dia 13 – Stellenbosh / Cidade do Cabo – domingo, 17 de novembro de 2013.

Tomamos o café da manhã do hostel e pela indicação da Margareth optamos por visitar Wredemheim. Vi que Barry estava sem planos para o dia e pensei que seria legal convidá-lo para passar conosco um dia agradável.

Ele aceitou e sabia o caminho para chegarmos ao destino que estava relativamente próximo. 

Passamos pelo portal do complexo e estacionamos o carro. O dia estava lindo e a entrada se dava por uma casa branca com um imponente portão.

Apesar do horário, não poderíamos deixar de fazer uma degustação de vinhos enquanto aguardávamos o horário no qual acompanharíamos a alimentação dos felinos, uma das atrações do local.

A atendente explicava um pouco sobre os vinhos à medida que íamos bebendo. Elegemos o  pinotage como a melhor vinho. Esta é uma mistura de uvas pinot noir e da cinsault. Um vinho amplamente produzido na África do Sul.

Comprei uma garrafa deste vinho para continuarmos bebendo durante o passeio. Fomos até a área onde estavam as jaulas. Vimos uma família de leões descansando ao sol. E na jaulas ao lado, uma leoa separada de um leão ambos albinos, uma espécie rara. E foi bem legal quando o tratador lhes jogou uma galinha inteira para cada um para que fossem abocanhadas ainda no ar.

Vimos um belo lince, um guepardo e dois belos tigres que brincavam em uma piscina. Os animais eram bem cuidados e foi divertido vê-los mesmo que em cativeiro.

Era a hora do almoço e aproveitamos o restaurante local para comer e terminar com a garrafa de vinho. Eu estava atento no horário já que voltaria para o hostel para pegar as minhas coisas e ir de trem para a Cidade do Cabo.

Deixamos a fazenda e todo aquele clima bucólico para trás. Presenteei Margareth com uma garrafa de vinho, despedi-me de Barry, que sem dúvidas teve um dia bem legal, e da minha grande companheira de viagem, a Manon.

Naquele momento voltaria a estar sozinho na viagem. Barry me auxiliou com a compra dos bilhetes de primeira classe e acenei para os meus colegas sabendo que dificilmente os voltaria a vê-los.

Entrei no trem e me assustei ao ver um vagão sujo, com líquido escorrendo pelo chão. Estava com bastante bagagem e de certa maneira atento para evitar alguma situação de risco de furto ou roubo.

Em uma das paradas entrou um rapaz que se sentou ao meu lado. Começamos a conversar e ele disse que trabalhava para uma rede de televisão e que participaria da Copa do Mundo de futebol no Brasil.

Disse a Tshepo que eu iria para a Cidade do Cabo e ele disse que podia entrar em contato com seu amigo, que trabalhava na companhia aérea South Africa, e que poderia me ajudar a encontrar um lugar para me hospedar. Ele ligou para Mxoli que estava disponível e lhe informou o horário previsto de chegada daquele trem que estávamos.
Tshepo tinha que descer para fazer baldeação. Deixei um cartão de visitas com ele e ele disse que se desse me encontraria no dia seguinte.

Quando me aproximava do terminal da Cidade do Cabo pude ver as imensa parede rochosa, cartão postal da cidade. Desembarquei e fiquei aguardando o rapaz aparecer. Fiquei um pouco inseguro, pois era domingo, estava escurecendo a estação estava bem vazia e ainda não sabia aonde iria me hospedar.

Apareceu um rapaz branco estudante e disse que não estava conseguindo passar seu cartão de transporte. Ele era estrangeiro e disse que estava preocupado, pois não conseguiria outra maneira de transporte se não o trem. Dei a ele o valor da passagem.

Depois de alguns minutos o Mxoli apareceu. Muito simpático ele perguntou se poderíamos ir caminhando. Eu perguntei se seria seguro e ele disse para eu não me preocupar. No caminho ele comentou que precisava caminhar para arejar a cabeça pois tinha brigado com sua namorada.

Chegamos a um bairro turístico, o Green Point e a grande lua cheia parecia me dar boas vindas. 

Resolvi ficar logo no segundo hotel que visitamos, o All Seasons. Era um hotel bem simples no qual fiquei com um quarto exclusivo. Tinha televisão e uma cama de casal que depois de um tempo percebi ser muito ruim, pois o colchão era muito mole e fazia uma curva que acabou destruindo minhas costas.

Deixei meus pertences e saímos para tomar uma cerveja. Por coincidência havia um bar Cubaña, mesmo nome daquele de Port Elizabeth. Tinha o mesmo padrão de decoração, de estilo de música e perfil de clientes.

Tivemos uma noite de bate papo acompanhados de boa música e muita gente simpática. Já estava gostando do lugar.

Mxoli acabou dormindo no sofá do meu quarto.


Dia 14 – Cidade do Cabo  –  segunda-feira, 18 de novembro de 2013.

Mais uma vez a ideia era acordar cedo para aproveitar ao máximo o dia. Combinei com o Mxoli de nos encontrarmos no próprio Cubaña. Ali tomamos um café da manhã. Utilizei a rede de internet para entrar em contato com meus colegas alemães por celular. Sabia que eles deveriam estar de volta à cidade depois de uma longa viagem de carro.

Eles estavam de volta e resolveram nos encontrar. Tshepo também chegou e contou que tinha sido roubado. Tinham levado seu notebook assim que tinha desembarcado do trem no qual nos conhecemos. Ele tinha que entregar um relatório para um projeto e estava muito angustiado. Acabei ajudando-o a comprar um notebook usado.

Sven e Thomas chegaram e decidimos ir à praia. Mais precisamente para Camps Bay. Estávamos muito satisfeitos em nos reencontrar e Mxoli logo fez amizade com eles. Fiquei encantado com o caminho que nos levou à praia. Os paredões rochosos são extensos e parecem uma onda gigante em formação.

O sol estava forte! Estacionamos o carro e nos preparamos passando protetor solar. Chegando à praia via-se um mar agitado com o vento sobrando contra as ondas elevando a água e proporcionando um belo visual.

Começamos a bater uma bola naquele calor. Os alemães mostraram habilidade. Já, nosso amigo sul-africano nos fez rir bastante.

Foi impressionante sentir o frio da água marinha. Chegava a arder! Nos divertíamos como crianças e logo ficamos com fome. Na avenida beira-mar havia diversos restaurantes. Era um belo point cheio de gente bonita. A maioria pediu peixe com fritas.

Voltamos à praia e ao ver uma tenda onde faziam massagens não resisti. Adoro massagens e sempre que viajo gosto de aproveitar novas oportunidades. O preço era justo e a massagista muito boa.

Demos mais uma caminhada e voltamos para o Green Point. Mxoli voltou comigo para o hotel porque iríamos fazer uma baladinha à noite. Me despedi dos alemães sem saber que aquele era o último momento que estaríamos juntos.

Demos uma cochilada e eu comecei a me arrepender de ter escolhido aquele hotel com a cama péssima. Estava bem dolorido pelas atividades acumuladas nos vários dias de viagem.

Resolvemos ir à pé à famosa Long Street. Ao passar por um hotel luxuoso, Mxoli comentou que tinha uns vouchers de hospedagem gratuitos. Disse que no dia seguinte tentaria ver se conseguiria uma noite de hospedagem para mim.

Começamos nossa diversão noturna jogando um bilhar. Logo, fomos a outro bar e assim, sucessivamente fazendo um by night completo. Conheci uma família de angolanos e um grupo de ingleses que bebiam muito.

No final ainda fomos ao Cubaña. Mas como era segunda-feira a noite não estava tão agitada.

Despedi-me de Mxoli que voltou para a sua casa. Nos encontraríamos no dia seguinte. Faltava eu subir a Table Mountain e fazer algumas comprinhas.


Dia 15 – Cidade do Cabo – terça-feira, 19 de novembro de 2013.

Fui tomar um café da manhã perto do hotel. Recebi uma mensagem de Mxoli dizendo que conseguiu fazer a reserva no luxuoso Taj. Quase não conseguia acreditar.

Arrumei minha bagagem, encontrei com Mxoli e pegamos um taxi até o hotel. Lá me encontrei com Tshepo. Ainda não era hora do check in, então o supervisor da recepção sugeriu que deixássemos nossas coisas guardadas já que queríamos fazer algumas coisas pela cidade.

Mxoli tinha que resolver algumas questões e combinou de nos encontrar no final da tarde. Caminhei com Tshepo até uma feira de artesanato onde comprei uns imãs de geladeira e uma bolsa com motivos africanos. Queria conhecer tudo o que fosse possível naquele último dia antes da viagem de volta ao Brasil. E uma boa alternativa era o ônibus Sigthseeing que fazia dois diferentes percursos pelos principais atrativos turísticos da cidade.

Compramos os ingressos em uma livraria e logo embarcamos no ônibus vermelho. Recebemos fones de ouvidos para conectá-los ao sistema de som com explicações em vários idiomas. Decidimos fazer a primeira parada no Castelo da boa esperança (Castle of the Hope) que tem o formato de uma estrela e foi construído no século XVII sendo a mais antiga construção do tempo colonial no país.

Tiramos algumas fotos e logo aguardamos a passagem de outro ônibus para irmos ao principal atrativo do dia: a Table Mountain – “A Maravilha Africana”. Subimos pela montanha até o início do complexo que lembra o Corcovado no Rio de Janeiro. Como o ingresso era caro e o Tshepo já conhecia o local ele ficou me aguardando. Comprei o ticket e enquanto que aguardava o teleférico percebi que ele subia bem rápido. Embarquei no meio de inúmeros turistas que disputavam um bom lugar para tirar fotos.

Enquanto subíamos muitas nuvens atrapalhavam nossa vista, mas quando estávamos mais altos conseguíamos ver alguma coisa. Já no topo da montanha a temperatura era bem mais baixa. Dei uma caminhada e consegui observar o estádio do Green Point, a praia de Camps Bay, que tínhamos ido ao dia anterior e percebi a chegada de inúmeras pessoas que tinham subido pelas trilhas. Não tive tempo de fazer o percurso a pé.

Percebi mais uma vez a beleza cenográfica da Cidade do Cabo. Já estava muito satisfeito com o que tinha visto. Resolvi descer para continuar o percurso. Decidimos prosseguir nosso passeio de ônibus e fazer a última parada no Green Point para visitar o estádio que foi utilizado na copa de 2010.
No percurso passamos por diversas praias e dentre elas a Camps Bay. O Tshepo chegou a dar uma cochilada, pois estava cansado. No estádio havia uma visita monitorada e estávamos em cima da hora. Desembarcamos do ônibus e sem perder tempo descobrimos para qual era o portão que deveríamos nos direcionar.

Estávamos atrasados alguns minutos e demos sorte em aceitarem que nos juntássemos ao grupo de turistas de várias nacionalidades. Este estádio também sediou jogos do campeonato mundial de rugby, em 1995. A história deste campeonato é retratada no filme "Invictus". A África do Sul sagrou-se campeã e o título foi entregue ao capitão do time François Pienaar pelo presidente Nelson Mandela, pouco tempo depois do fim do apartheid. Era um momento histórico muito significativo.

O tour no estádio foi muito agradável. Visitamos a beira do campo, vestiários etc. Então voltamos ao centro bem no finalzinho da tarde. Tinha pouco tempo para fazer algumas compras. Fui à outra feira de artesanatos e comecei a negociar com os vendedores artigos para decoração e roupas.

Encontrei-me novamente com Tshepo e Mxoli para que eu pudesse finalmente dar o check in no quarto do hotel. E quando cheguei lá não podia acreditar. Era sem dúvidas o melhor quarto de hotel em que me hospedei. Puro luxo!

Logo um amigo deles
se juntou a nós. Tomei um banho merecido e ficamos curtindo todo o conforto do quarto. Chegou um amigo dos dois que colocou música em seu notebook.

Já era hora de jantar. Tínhamos dois vouchers para o restaurante do próprio hotel. Como o amigo deles tinha um compromisso nos três aproveitamos a oportunidade de degustarmos uma boa comida acompanhada de um vinho branco. A sensação de satisfação era enorme. Quase não podia acreditar que depois de tantas aventuras e de ter dormido em barraca ou em cama ruim poderia desfrutar dos serviços de um hotel de luxo.

Falamos sobre a possibilidade de desenvolvermos um négocio relacionado a turismo que fomentasse o fluxo de brasileiros para a África do Sul e vice-versa. Eles ficaram muito animados com a ideia.

Como na noite anterior fomos à Long Street. Paramos em um bar onde estava sendo transmitida a partida amistosa de futebol entre a África do Sul e a poderosa Espanha. Surpreendentemente a África do Sul venceu por 1 a 0 e as pessoas estavam muito animadas. Eu estava com cansaço acumulado de muitos dias de passeios onde a vontade de conhecer o país estava acima de tudo.

Despedi-me de Mxoli que foi meu principal guia na África do Sul e o Tshepo foi dormir no hotel porque morava longe e não teria dinheiro para o táxi.


Dia 16 – Cidade do Cabo / São Paulo – quarta-feira, 20 de novembro de 2013.

Tive que despertar bem cedo e já tinha agendado o transporte ao aeroporto com um amigo de Tshepo que cobrou mais barato do que um táxi.

Pedi um café da manhã continental que comi no próprio quarto enquanto Tshepo despertava.

Juntei minhas coisas e resolvi levar um livro que ficava no quarto com várias fotos e as histórias do líder Nelson Mandela. Fiz o check out e junto com Tshepo entramos no carro. Ele ficou pelo caminho para pegar um trem de volta para a casa.

No avião conheci uma moça que trabalhava como voluntária em projetos sociais que estava voltando de Moçambique ao Brasil para fugir da situação ameaçadora de uma nova guerra civil.

Voltei para o Brasil muito satisfeito com a viagem e com a sensação de que viveria tranquilamente na África do Sul. O país ainda busca uma estabilidade social e econômica, mas que, a meu ver, é muito promissor. Percebi a variedade cultural existente no país e a alegria do seu povo. Toda a expectativa da viagem foi bem correspondida.


Menos de um mês do meu retorno ao Brasil, no dia 05 de dezembro o grande líder Nelson Mandela faleceu e o país entrou em luto profundo.